Sinais dos Tempos - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Sinais dos Tempos

A Bíblia Responde > VII – Acontecimentos Vindouros e Sinais dos Tempos
A Bíblia Responde - Capítulo nº 07 - Acontecimentos Vindouros e Sinais dos Tempos

1. Por que reprovou Cristo os fariseus e saduceus?

"Hipócritas sabeis diferençar a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos?" S. Mat. 16:3.

2. Que sinal foi predito pelo profeta Isaías pelo qual Cristo, quando de Seu primeiro advento, poderia ser conhecido como o Messias?

"Porquanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um Filho, e será o Seu nome Emanuel." Isa. 7:14. Para o cumprimento, ver S. Mat. 1:22 e 23.

3. Onde disse o profeta que Cristo nasceria?

"E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre milhares de Judá, de ti Me sairá O que será Senhor em Israel." Miq. 5:2. Para o cumprimento, ver S. Mat. 2:1.

4. Que profeta predisse a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém ?

"Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém: eis que o teu rei virá a ti, justo e Salvador, pobre, e montado sobre um jumento, sobre um asninho, filho de jumenta." Zac. 9:9 Para cumprimento, ver S. Mat. 21:4 e 5.


5. Que pergunta concernente a Sua segunda vinda fizeram a Cristo os discípulos?

"E estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a Ele os Seus discípulos em particular, dizendo: Diz-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da Tua vinda e do fim do mundo?" S. Mat. 24:3.


6. Como, segundo S. Lucas, respondeu Cristo a esta pergunta?

"E haverá sinais no Sol e na Lua e nas estrelas; e na Terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo." S. Luc. 21:25 e 26.

7. Quais, segundo o relato de S. Mateus, disse Cristo iriam ser os sinais no Sol, na Lua e nas estrelas?

"E, logo depois da aflição daqueles dias, o Sol escurecerá, e a Lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu." S. Mat. 24:29.

8. Em que linguagem alguns profetas do Velho Testamento já haviam predito esses sinais?

"E mostrarei prodígios no céu, e na Terra, sangue e fogo, e colunas de fumo. O Sol se converterá em trevas e a Lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor." Joel 2:30 e 31. "O Sol e a Lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplandor." Joel 3:15. Porque as estrelas dos céus e os astros, não deixarão brilhar a sua luz; o Sol se escurecerá ao nascer, e a Lua não fará resplandecer a sua luz." Isa. 13:10. "Farei que o Sol se ponha ao meio-dia, e a Terra se entenebreça em dia de luz." Amós 8:9.

9. Quando se escureceram o Sol e a Lua?

A 19 de maio de 1780.

"O dia 19 de maio de 1780, foi um dia notavelmente escuro. Acenderam-se luzes em muitas casas. Os pássaros deixaram de cantar e desapareceram. As aves retiraram-se para seus poleiros. Todos acreditavam que havia chegado o dia do juízo. A Câmara de Connecticut teve que suspender a sessão em Hartford, impossibilitada de tratar de seus negócios." — Presidente Dwight, em Connecticut Historical Collections.

"Em alguns lugares foi impossível, durante várias horas, lerem- se ao ar livre simples caracteres impressos. Os pássaros entoavam as suas canções noturnas, desapareciam e ficavam silenciosos; as aves domésticas buscavam os seus poleiros e o gado, a estrebaria; nas casas acendiam-se as luzes. O escurecimento começou por volta das dez horas da manhã e durou até à meia-noite, mas com intensidade e duração diversa em vários lugares.... A verdadeira causa deste notável fenómeno é desconhecida." —- Dicionário de Webster, edição de 1869.

Diz Herschel, o grande astrónomo inglês: "O dia escuro da América do Norte foi um dos mais extraordinários fenómenos da Natureza, que será sempre lido com interesse, mas a Ciência é incapaz de explicar."

"Que o dia escuro de 19 de maio de 1780 não foi o resultado de um eclipse, é fácil estabelecer pela posição que respectivamente ocuparam nessa ocasião o Sol, a Lua e a Terra   O eclipse do Sol só é possível mediante a interposição da Lua entre o Sol e a Terra. A 19 de maio de 17-80 a posição da Lua em relação à Terra era justamente oposta à do Sol, o que tornava absolutamente impossível um eclipse desse astro. De resto, a escuridão motivada por mero eclipse não teria sido tão densa nem poderia ter a duração que teve aquele fenómeno." — O Rei Vindouro, pág. 124.

"A escuridão da noite seguinte foi provavelmente tão profunda e densa como a que mais o fosse, desde que o Altíssimo criou a luz até então; faltava-lhe apenas ser palpável, para ser tão extraordinária como aquela que cobriu a terra do Egito nos dias de Moisés. ... Se todos os corpos luminosos do Universo tivessem sido envolvidos em sombras impenetráveis, ou apagados da existência, dír- se-ia que as trevas não pudessem ser mais completas. Uma folha de papel branco, segurada a poucos centímetros dos olhos, era tão invisível como o mais negro veludo." — Carta do Dr. Samuel Tenney, datada de Exceter, N. H. Dezembro de 1785, citada em Collections of Mass. Historical Society, Vol. 1, 1792.

"A escuridão da noite foi tão sobrenatural como a do dia que lhe antecedeu, pois, que, conforme declara o Dr. Adams, 'a lua fora cheia no dia anterior.'"

10. Quando ocorreu a notável exibição da queda de estrelas?

No dia 13 de novembro de 1833.

"Escrevendo sobre esse memorável acontecimento, o afamado astrónomo e meteorologista, Prof. Denison Olmsted, da Universidade de Yale, disse: 'Os que tiveram a felicidade de testemunhar a exibição de estrelas cadentes na madrugada de 13 de novembro de 1833., viram provavelmente a maior demonstração de fogos celestes que já houve desde a criação do mundo, ou pelo menos nos anais compreendidos nas páginas da História.... A extensão da chuva foi tal que cobriu parte considerável da superfície terrestre, desde o centro do Atlântico, a Leste, até ao Pacífico, a Oeste; e desde a costa norte da América do Sul, até às longínquas regiões das possessões britânicas do Norte, o espetáculo foi visível, apresentando por toda parte quase o mesmo aspecto.'"

"A exibição foi especialmente brilhante no Niágara; e por certo jamais se presenciou espetáculo tão terrível, grandioso e sublime, como aquele do firmamento caindo em torrentes inflamadas sobre a rugidora catarata escura." — Enciclopédia Americana, artigo "Meteoros."

Sobre uma declaração de que os modernos fogos de artifícios superam essa grandiosa exibição de estrelas cadentes, o Sr. Clarkson, pai dos antigos redatores do jornal de que a seguinte citação é feita, e ele mesmo redator agricultural da referida folha, disse: "A terrível grandeza do espetáculo na noite de 13 de novembro de 1833, que fez temerem o mais vigoroso coração e o mais ousado incrédulo, jamais poderá ser comparada com os mais brilhantes fogos de artifício. Os que presenciaram a assim chamada chuva de meteoros contemplaram a mais grandiosa cena presenciada por homens até ao dia de que fala S. Pedro, quando os céus em fogo se desfarão, e os elementos ardendo, se queimarão. O redator agrícola do Register estava fora sozinho com uma parelha de animais e com pesada carga durante toda a noite naquela ocasião inolvidável. Ele não poderá admitir agora que fogos de artifício humanos sejam superiores ao mais grandioso e sublime espetáculo até então ou desde então contemplado pelo homem. Os fogos de artifício não se assemelham mais a esse maravilhoso fenómeno, do que o vaga- lume ao Sol." — Iowa State Register, 12 de julho de 1889.

Frederico A. Douglas, em seu livro My Bondage and My Freedom, diz: "Presenciei em pessoa essa cena deslumbrante, e fiquei possuído de pânico. Os ares pareciam fervilhar de mensageiros divinos a descerem à Terra. Anunciava-se a madrugada quando observei esse espetáculo sublime. Naquele instante não pude resistir à impressão de que fosse o prenúncio da vinda do Filho do homem; e em meu espírito estava preparado para saudá-Lo como meu amigo, e libertador. Tinha lido alhures que as estrelas deviam cair do céu, e elas estavam efetivamente caindo."

Uma única estrela apareceu aos sábios e conduziu-os ao Salvador,, no primeiro advento. Milhares de estrelas anunciaram a proximidade de Seu segundo advento.
Note-se que os sinais produziram a impressão que Deus propusera exercessem — que o dia do juízo, a vinda de Cristo, e o fim do mundo estão às portas.

11. Chegamos nós ao tempo da "angústia das nações, em perplexidade"?

Toda pessoa inteligente sabe que o mundo vive atualmente tempos de intranquilidade, e que os homens estão perplexos e confusos em face das condições imperantes em todo o mundo civilizado.

O ex-presidente Getúlio Vargas, no discurso de encerramento da "Semana do Marinheiro" de 1938, aludindo aos conturbados tempos atuais, disse: "As graves perturbações que avassalaram o mundo no segundo decénio deste século .se prolongam com o caráter de crise crónica, aniquilando valores consagrados e criando novos, subvertendo instituições e modificando a distribuição e aproveitamento das riquezas da Terra, repercutem cada vez mais forte em toda Ordem política, jurídica e social."

12. Há hoje "homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo"?

"Em cada chancelaria se sentam .os governantes com rosto pálido e mãos trémulas, observando desesperados a calamidade que têm diante da vista." -— Lloyd George.

O ex-primeiro ministro da Itália, Benito Mussolini, em certa ocasião, disse o seguinte: "Nunca jamais foi um período histórico caracterizado por tantas vacilações, tantas quedas.

"A situação política internacional modifica-se todos os dias, e cada dia muda de aspecto.... Tudo parece vago e incerto, e sempre ameaçador."

Além dos temores acumulados resultantes da guerra, destruição, perturbações económicas e revoluções sociais, a humanidade acha- se hoje tomada do terror do poder atómico. Os cientistas alarmam o mundo com os mais sombrios prognósticos. E eles mesmos .se acham possuídos de verdadeiro pavor, ante as possibilidades dessa arma terrível.

13. Que se pode dizer do bramido do mar e dai ondas?

Grandes marés e tempestades no mar, como ciclones e furacões em terra, para temor de todos se têm tornado frequentes nos últimos anos, tornando os homens apreensivos de males ainda maiores por sobrevir.

14. Que, segundo a profecia de Daniel, deveria caracterizar o tempo do fim?

"E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo: muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará." Dan. 12:4.

O tempo do fim começou em 1798. Ver Dan. 7:25; 11:35; 12:4 e 9, e o estudo "0 Reino e Obra do Anticristo," pág. 179, pergs. 5-8. Desde 1798 tem havido notável progresso de todos os conhecimentos, tanto científicos como religiosos. Os homens correm "de uma parte para outra" tanto no mundo como na Palavra de Deus. As profecias de Daniel são agora compreendidas. Desde 1798 cinco grandes sociedades bíblicas foram organizadas; merecem menção especial a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira e a Sociedade Bíblica Americana que editam a Escritura Sagrada no vernáculo. Além destas há outras sociedades menores. Destas casas editoras têm saído centenas de milhões de exemplares do Livro dos livros, e sem-número de folhetos e tratados, disseminando o conhecimento das verdades para a salvação. Além disso, milhões de revistas religiosas circulam anualmente nos muitos países da Terra. Têm-se estabelecido missões em todas as partes do mundo. Tudo isso foi realizado desde 1798.

No respeitante ao aumento do conhecimento no mundo material, científico e intelectual, veja-se o estudo seguinte.

15. Que foi predito da condição moral do mundo nos últimos dias?

"Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, ... mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela." II Tim. 3:1-5.

16. Como, disse o apóstolo S. Pedro, seria tratada por alguns a mensagem da vinda do Senhor?

"Sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda? porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação." II S. Ped. 3:3 e 4.

17. A esse tempo, que estarão fazendo os fiéis servos de Deus?

"Quem é pois o servo fiel e prudente, que o Senhor constituiu sobre a Sua casa, para dar o sustento a seu tempo?" S. Mat. 24:45.

O "sustento a seu tempo" aqui referido evidentemente se refere à proclamação da mensagem baseada em sinais que indicam a breve volta do Senhor. A pregação desta mensagem é que leva os zombadores a perguntar: "Onde está a promessa da Sua vinda?"

18. Que são todos admoestados a fazer quando esses sinais tenham aparecido?

"Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis." S. Mat. 24:44.

19. Como surpreenderá a vinda de Cristo aos maus servos que disserem no» coração: "O meu Senhor tarde virá"?

"Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes." S. Mat. 24:50 e 51.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal