Princípios que Regem a Administração - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Princípios que Regem a Administração

Biblioteca > Livros > Conselhos sobre a Escola Sabatina

Livro: Conselhos sobre a Escola Sabatina

Pág. 151

Seguir o Objetivo

Não se deve perder de vista o desígnio da Escola Sabatina, ocupando em arranjos formais o tempo que deveria ser empregado para outros assuntos importantes. Devemos sempre guardar-nos das formas e cerimônias que obscureçam o verdadeiro objetivo por que trabalhamos. Há perigo em nos tornarmos tão sistemáticos que a Escola Sabatina se torne fatigante, quando, ao contrário, deve ser um descanso, um refrigério e uma bênção.


A pureza e simplicidade da Escola Sabatina não devem ser absorvidas por interminável variedade de formas, de maneira que não se possa dedicar tempo suficiente a interesses religiosos. A beleza e êxito da escola estão em sua simplicidade e fervor em servir a Deus. Nada se pode fazer sem ordem e regulamentos, mas estes podem ser arranjados de maneira a excluir maiores e mais importantes deveres. Aos alunos dever-se-ia falar menos sobre os preliminares e sistema externos e muito mais sobre a salvação de sua alma. Deve ser esse o princípio dominante da escola.

Pág. 152

O Perigo da Fria Formalidade

A velha, velha história do amor de Jesus, repetida pelos professores e pelo diretor, com esse amor no coração, terá um poder que convencerá e converterá pessoas. Se o amor e ternura de Jesus vos tocarem o coração, sereis capazes de trabalhar por vossos alunos. Deve-se ter em vista a simplicidade do evangelho. Auxiliados pelo Céu, podemos trabalhar fielmente pelo Mestre. Deve-se conservar continuamente perante os alunos o fato de que sem trabalho fervoroso serão em vão todos os nossos esforços.

Em cada movimento dos professores e dirigentes da escola devem-se ver afeição e amor. A fria formalidade deve ser substituída por fervoroso zelo e energia. Por tal forma deve o amor de Jesus penetrar toda a escola, que os alunos aprendam a considerar isso como a mais elevada educação. A severidade e censura não devem ter lugar na Escola Sabatina e na escola diária. Devem ser afastadas do coração dos professores, e de todos os que têm parte relevante na escola.

Não haja orgulho nas formas ou trabalhos mecânicos da escola, mas no benefício que é realizado em levar pessoas a Jesus Cristo. Pode-se fazer com que as máquinas correspondam à vontade do homem, trabalhando com perfeita exatidão, mas são destituídas de vida. O mesmo se dá com as escolas em que a formalidade toma o principal lugar; é, como o mármore, sem vida. Quando todos os que estão ligados à escola tiverem um sentimento da responsabilidade de seu trabalho e reconhecerem que se estão esforçando não só

Pág. 153

para o presente, mas para a eternidade, ver-se-ão ordem e harmonia em cada departamento. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 89 e 90.

Males do Formalismo

O mal não é resultado da organização, mas de fazer-se de tudo motivo de organização, e tornar a piedade vital de pouca importância. Quando a forma e o mecanismo adquirem a preeminência, e a obra que devia ser feita com simplicidade é transformada em laboriosa tarefa, resultará mal, e pouco será realizado em proporção ao esforço feito. O objetivo da organização é justamente o reverso disto; e se devêssemos nos desorganizar, seria como que demolir o que foi construído. Maus resultados têm sido vistos tanto na Escola Sabatina como na sociedade missionária, pelo fato de fazer-se muito de mecânico, ao passo que a experiência vital é perdida de vista. Em muitos dos supostos melhoramentos levados a efeito, o que se tem feito é colocar o molde humano na obra. Têm sido aceitos na Escola Sabatina, como oficiais e professores, homens e mulheres cuja mente não estava espiritualizada, e que não tomaram vivo interesse na obra a eles confiada; mas apenas mediante o auxílio do Espírito Santo é que se pode pôr em ordem a situação. ...

Veríamos diferente estado de coisas se determinado número se consagrasse inteiramente a Deus, e então devotasse seus talentos à obra da Escola Sabatina, avançando sempre em conhecimento, educando-se para que pudessem instruir a outros quanto aos melhores métodos

Pág. 154

a serem empregados na obra; mas não devem os obreiros procurar métodos pelos quais ofereçam um espetáculo, consumindo tempo em representações teatrais e exibições de música, pois isto não beneficia a ninguém. Não é bom ensaiar crianças para que façam discursos em ocasiões especiais. Devem elas ser ganhas para Cristo, em lugar de gastar tempo, dinheiro e esforços para uma encenação, que todo esforço seja feito a fim de preparar os molhos para a colheita.

Muitas pessoas parecem pensar que tudo quanto era necessário na obra da Escola Sabatina era organizar a escola e exercitar os alunos para que pudessem proceder em harmonia com um conjunto de cerimônias e formas; e que se se pudesse conseguir pessoas como professores a Escola Sabatina andaria por si. Muitas vezes são escolhidos professores que não podem levar pessoas a Cristo porque não sabem considerá-Lo precioso a sua própria vida; mas todos os que não dão à alma o valor que os leve a trabalhar como Cristo desejaria que trabalhassem, não estarão ajuntando com Cristo. "Quem comigo [notem estas palavras] não ajunta espalha." Mat. 12:30. Se os professores não sentem a responsabilidade de levar pessoas a Jesus, far-se-ão indiferentes à verdade; tornar-se-ão descuidosos, e a atmosfera com que circundam a alma operará no sentido de afastá-los de Cristo. E com tais elementos na Escola Sabatina, haverá perpétuo conflito com dificuldades; pois quando os professores assumem o trabalho mas não têm interesse nele, os alunos participam do mesmo espírito. Fundamentos da Educação Cristã, págs. 253 e 254.

Pág. 155

Necessidade de Consagração

Os que se empenham na obra da Escola Sabatina devem ser pessoas que se tenham consagrado a Deus. Devem ser homens e mulheres fortes na fé, e de ardente compaixão, fervorosos de espírito e interessados em tudo que diz respeito à causa de Cristo. Devem entregar-se ao trabalho com abnegado esforço, qualquer que seja o sacrifício exigido, depondo-se sobre o altar e suplicando, com forte clamor e lágrimas, pela conversão dos jovens ao seu cuidado. Que toda ambição egoísta seja crucificada entre os que, na Escola Sabatina, desejam trabalhar para o Senhor, e "nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo". Filip. 2:3. Que a primeira ambição do obreiro da Escola Sabatina seja a de educar jovens para, com simplicidade, cumprirem seu dever no temor de Deus.

A grande necessidade da Escola Sabatina não é de equipamentos, mas de conhecimento nas coisas espirituais. Quão grandemente necessitam os obreiros do batismo do Espírito Santo, para se tornarem verdadeiros missionários de Deus! Devem aprender a exercitar o máximo possível a mente, a fim de poder adquirir melhor conhecimento da verdade bíblica. Os professores da Escola Sabatina devem orar diariamente pedindo luz celestial, a fim de se habilitarem para abrir à mente dos jovens os tesouros da Santa Palavra. Por que não vos humilhar perante o Senhor, permitindo

Pág. 156

que a impressão do Espírito Santo se manifeste em vosso caráter e obra? Há demasiada condescendência consigo mesmos, demasiado formalismo e rotina entre os que se empenham na obra da Escola Sabatina, e tudo isso tende a desviar a pessoa da Fonte de água viva. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 73 e 74.

O Preparo Para a Obra da Escola Sabatina

Existe entre nós carência de aptidões educadas, e não possuímos homens suficientemente preparados para corresponderem ao trabalho de dirigir nossas igrejas e Escolas Sabatinas. Muitos que conhecem a verdade não a compreendem ainda de maneira a se absterem de introduzir o que é deles próprios ao apresentá-la. Não estão preparados para expô-la de modo que seu caráter sagrado e solene seja claro para o povo. Em vez de menos disciplina, necessitam de mais completo preparo. Impossível é a qualquer pessoa prever para que função poderá ser chamada. Talvez seja colocada em situações em que necessite de pronto discernimento e argumentos ponderados, e portanto é para honra de Cristo que se multipliquem entre nós os obreiros bem educados; estarão mais habilitados a comunicar a verdade de maneira clara, inteligente, e a verdade deve ser apresentada o quanto possível livre de defeitos. Fundamentos da Educação Cristã, págs. 256 e 257.

Confiança em Deus

Nossas Escolas Sabatinas não são o que o Senhor deseja que sejam, pois ainda se confia demais nas formas e no

Pág. 157

equipamento, enquanto o vivificante poder de Deus não se manifesta na conversão de pessoas por quem Cristo morreu. Esse estado de coisas deve ser modificado, para que nossas Escolas Sabatinas cumpram o propósito pelo qual existem. ... Quando diretores e professores se entregarem a Deus sem reservas, não só farão resoluções mas também levarão a efeito suas resoluções. Logo que os obreiros da Escola Sabatina e da escola diária, iniciem seu trabalho com a inteira compreensão de sua dependência de Deus, ser-lhes-á dada a graça de Cristo para cooperar com o esforço humano. É importante que cada obreiro compreenda que, ao esforço humano, unido ao poder divino, se seguem a convicção e conversão de pessoas.

Ministério Ganhador de Almas

Tanto os professores e diretores de nossas Escolas Sabatinas como os pastores no púlpito devem ser inteiramente consagrados, pois todos se empenham na obra de levar pessoas a Cristo. Cada um em seu lugar, deve trabalhar, como o fez Cristo, num espírito de amor para com os que erram, bem como para com os impenitentes. Eis o que Cristo deseja ver na obra da Escola Sabatina. ... Os anjos, que no Céu vêem a face do Pai, guardam as crianças e jovens a quem, como agentes vivos de Deus, ensinais o caminho da salvação. Pensai nisto, diretores e professores; estais em presença dos anjos celestiais, realizando uma obra cujo caráter

Pág. 158

testifica de vossa fidelidade ou infidelidade para com Cristo. ...

Auxiliados Pelo Espírito Santo

Os diretores e professores de nossas Escolas Sabatinas devem ser convertidos, salvos de sua habitual insensibilidade. As preciosas lições da verdade não devem ser ensinadas de maneira fraca e sem vida; mas pela diária comunhão com o Senhor, pelo recebimento dos brilhantes raios do Sol da Justiça, acrescentar-se-á poder vivificante aos seus esforços para a conquista de pessoas para Cristo. Devem conservar a mente constantemente fixa em Cristo, para que os pensamentos e impulsos sejam de caráter espiritual e suas maneiras e métodos de ensino estejam sujeitos à direção do Espírito Santo, que, em Sua mais elevada manifestação aos homens, os habilita a desenvolver suas melhores energias, pois Deus neles opera o querer e o efetuar segundo a Sua boa vontade.

"Sem Mim", disse Cristo, "nada podereis fazer." João 15:5. O obreiro não é deixado só. É-lhe dado o Espírito de Deus, para o querer e o efetuar a boa vontade de Deus, a fim de que não haja ocasião para a carne e suas concupiscências. Professores, segui a guia do Espírito. Ao ser o coração das crianças e jovens constrangido pelo Espírito Santo, convidai-os com ternura e amor, rogando-lhes que se entreguem a Deus.

As crianças e jovens foram resgatados por Cristo; Ele os comprou por preço infinito. Jesus ama os pequeninos. Olha compassivamente para os jovens, pois sabe que

Pág. 159

Satanás os procurará atrair para o caminho largo, fazendo-lhes parecer sedutor; Jesus ordena aos anjos que tomem especial cuidado dessas pessoas inexperientes, não só no lar como na vida escolar e na Escola Sabatina. O Espírito luta continuamente com eles, procurando levá-los a Deus; e o coobreiro de Deus sentirá sua responsabilidade e trabalhará fervorosamente para conquistar pessoas para Cristo. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 41-44.

Necessária a Fidelidade Perseverante

É rara a paciente e perseverante fidelidade, acompanhada de oração, como a que possuíram esses santos de Deus [Calebe, Ana e Dorcas]; todavia, sem ela a igreja não pode prosperar. Ela é necessária na igreja, na Escola Sabatina e na sociedade. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 109.

Cooperação Bem-Sucedida

Os obreiros da Escola Sabatina precisam estar especialmente imbuídos do Espírito de Cristo. Não podem ser colaboradores de Cristo, a menos que Ele, pela fé, lhes habite no coração. ... As crianças precisam de mais decidido esforço com relação à cultura religiosa. Os professores e obreiros dirigentes devem trabalhar, a fim de que haja perfeita harmonia. Deve haver cooperação da parte dos pais, das crianças e professores. Que cada obreiro procure obter tato e sabedoria, de maneira a exercer aquele bem dirigido esforço requerido por Deus. Devemos cultivar tato e discernimento

Pág. 160

para vermos prontamente as oportunidades de fazer o bem e aproveitando-as ao máximo. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 20.

O Espírito Santo é Essencial ao Êxito

Os oficiais e professores da Escola Sabatina necessitam da guia e instrução do Espírito Santo, para serem verdadeiros educadores, capazes de inspirar pensamentos e trazer à lembrança as coisas que ensinaram aos alunos. É obra do Espírito Santo o trazer à mente, de maneira clara e distinta, as palavras e obras de Cristo para que os que ensinam tenham poder para elevar o Redentor do mundo perante o espírito dos alunos. Em todos os arranjos da Escola Sabatina há necessidade do auxílio do Espírito Santo, a fim de que sejam escolhidos para preencher os cargos de responsabilidade de diretores, oficiais e professores, homens e mulheres tementes a Deus.

Não convém deixar a Escola Sabatina sempre sob a direção de um único homem, pois ele a moldará segundo seu próprio espírito e idéias, mas deve haver obreiros capazes de transmitir novos pensamentos, para que a escola progrida na vida espiritual. A escola pode estar afeiçoada a uma pessoa que tem servido longa e fielmente, mas deve-se considerar o bem da escola, em vez das preferências pessoais de professores e alunos. Quando for evidente que a escola será beneficiada por uma mudança, pela entrada de obreiros que saibam o que seja preocupar-se pela pessoas, nada deve impedir

Pág. 161

essa mudança. Embora, por esse arranjo, sejam depostos do cargo, os que não têm ambição de exaltar o próprio eu hão de lançar mão de todo auxílio pelo qual os alunos na escola possam progredir e ser elevados. Os que são idosos e experientes na obra alcançaram aquilo que é de auxílio à causa de Deus, e os mais novos, que ainda não se adaptaram inteiramente à obra, devem seguir o exemplo dos irmãos mais velhos que se provaram fiéis naquilo que lhes foi entregue às mãos, a fim de que sejam assim educados em sabedoria e tato e obtenham o êxito essencial ao bom trabalho. ...

Perguntas Importantes

Por que razão há, em nossas igrejas, muitos que não estão firmados, arraigados e fundados na verdade? Por que se acham na igreja os que andam em trevas e não têm nenhuma luz, cujos testemunhos são poucos sinceros, frios e queixosos? Por que existem pessoas cujos pés parecem prestes a desviar-se por veredas proibidas e que sempre têm a contar uma triste história de tentação e derrota? Sentiram os membros da igreja sua responsabilidade? Cuidaram os anciãos e diáconos dos fracos e apostatados? Compreenderam eles que os inconstantes estão em perigo de perder a vida eterna? Procurastes, por preceito e exemplo, firmar na Rocha eterna os pés dos extraviados? Compreenderam os professores e oficiais da Escola Sabatina que têm de fazer a obra de guiar

Pág. 162

por caminhos seguros os passos dos jovens e que, para serem ganhadores de pessoas para o Mestre, devem considerar como nada todo interesse egoísta? Há, em cada ramo da obra, decidida necessidade de reforma.

Poder Vivificador

Em nossa obra da Escola Sabatina passam desaproveitadas maravilhosas oportunidades. Que homens e mulheres de variados dons lancem mãos ao trabalho e, no temor de Deus, façam o melhor para salvar nossa juventude. Os que têm um modo formal de fazer as coisas não devem ter a completa direção da escola, moldando-a em maneiras formais e hábitos precisos, e sufocando-lhe a vida em uma multiplicidade de regulamentos. É essencial ter ordem, mas a par de nossas regras e regulamentos, temos necessidade de muito mais conhecimento espiritual. Necessitamos de poder vivificante, zeloso entusiasmo e verdadeira animação, para que nossas escolas se encham de uma atmosfera de verdadeira piedade e pureza; para que haja real progresso religioso; para que o temor do Senhor circule pela escola; para que o diretor e dirigentes não se satisfaçam com um processo morto, formal, mas coloquem em ação todos os meios possíveis a fim de que a escola se torne a mais nobre e eficiente no mundo. Deve ser esse o objetivo e ambição de todo obreiro da escola.

Necessitam-se Verdadeiros Diretores

Os dirigentes de nossas escolas devem ser homens e mulheres de pronta intuição, que tenham o Espírito de Deus

Pág. 163

para ajudá-los a ler o caráter, possuam capacidade de dirigir, compreendam diferentes feitios de caráter e mostrem tato e sabedoria ao tratar com várias mentes.

Há muitos que, nominalmente, podem preencher o lugar de diretor, mas o que se precisa é de homens que o façam em todo o sentido da palavra. Há muitos que têm suficiente capacidade para desempenhar-se quanto às formalidades, mas falham em comunicar ânimo e esperança, inspirar idéias, despertar energia e comunicar tal vida que a escola se torne em vivo e crescente poder para o bem.

Para os professores há também um grande campo aberto, e devem procurar compreender como trabalhar de maneira a dirigir e desenvolver a mente e o coração das crianças. Devem ter a sabedoria que do alto vem, para terem êxito ao tratar com os jovens e crianças. Muitos professores são curtos de vistas, e têm para com os jovens um procedimento que não tende a bons resultados; e, em vez de progresso, há retrocesso. O que tanto obreiros como alunos necessitam é o dom do Espírito Santo, para que não haja reformas intermitentes, mas firme crescimento na graça, constante aumento de vida e poder espirituais. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 91-94.

Inabilitados Para Verdadeira Liderança

Nossas Escolas Sabatinas, que devem instruir as crianças e jovens, são demasiado superficiais. Seus dirigentes precisam cavar mais fundo. Precisam pensar mais no trabalho que estão fazendo e esforçar-se mais por ele. É-lhes necessário

Pág. 164

estudar mais plenamente a Bíblia e ter mais profunda experiência religiosa, para saber como dirigir a Escola Sabatina segundo a ordem divina e guiar ao Salvador crianças e jovens. É este um dos ramos da obra que sofre por falta de homens e mulheres eficientes, que reconheçam sua responsabilidade para com Deus no sentido de usar suas faculdades, não para se vangloriarem, exibindo o próprio eu, mas para fazer bem. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 111.

Sem o Espírito

Devemos subir a um plano de ação mais elevado. Que o Espírito de Jesus vitalize a vida dos obreiros. Então seus planos e métodos de trabalho serão de molde a conquistar pessoas para Jesus Cristo. Em nossas igrejas grandes, onde existem muitas crianças e jovens, há maior perigo de dirigir a Escola Sabatina de modo a tornar-se mera formalidade, mecânica e desanimada. Há falta de Jesus. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 14.

Escolha de Oficiais

As mulheres cristãs podem exercer benéfica influência sobre jovens e crianças. Suas capacidades são talentos que Deus lhes confiou e devem ser inteiramente consagrados ao serviço do Mestre. Muitos são prontos em discernir e eficientes em executar, mas precisam estar intimamente ligados a Deus. Buscarão novos modos de desenvolver o caráter e educar a juventude para usar os talentos que Deus lhes deu.

Pág. 165

Ao escolher oficiais, de tempos em tempos, assegurai-vos de que não vos dominam preferências pessoais, mas colocai em cargos de confiança os que amam e temem a Deus e que dEle fazem seu Conselheiro. Sem o amor e o temor de Deus, por mais brilhantes que sejam intelectualmente, haverá fracasso. Jesus declarou: "Sem Mim nada podereis fazer." João 15:5. Essa questão da escolha de oficiais não deve ser deixada sob o domínio dos alunos da Escola Sabatina. A freqüente mudança de oficiais será uma vantagem para a escola, pois a mente de um único homem não deve moldar todas as outras. Pode ele possuir excelentes qualidades e, não obstante, ser deficiente em algumas coisas. Outra pessoa escolhida pode ser eficiente onde aquela estava em falta. Mentes e qualidades diversas introduzirão novas idéias, novos pensamentos, e isso é essencial. Mas, sobretudo, escolhei os que, na simplicidade de sua vida, estejam andando na verdade, que amem e temam a Deus, e aprendam em Sua escola. Tais pessoas levarão os alunos para a frente e para cima. Sob a liderança de professores sábios, os alunos terão crescente interesse na Palavra de Deus e mais profundo conhecimento das Escrituras. Que Cristo seja o tema de cada lição. As lições por Ele dadas a Seus discípulos são da mais elevada importância. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 83 e 84.

Conselhos aos Diretores

Há um diligente trabalho a ser feito em nossas Escolas Sabatinas, e os que as dirigem devem agir com tato e

Pág. 166

sabedoria. O lidar com as mentes, deixando a correta impressão e dando ao caráter o cunho devido, é bela e importante obra. É sábio o educador que procura desenvolver a capacidade e o talento do estudante, em vez de esforçar-se constantemente por comunicar instrução.

Em diversas ocasiões, tenho recebido cartas indagando relativamente aos deveres do diretor da Escola Sabatina. Um deles, que se sentia pesaroso por não poder despertar mais profundo interesse por parte de professores e alunos, declarou que gastava muito tempo em conversar com eles, explicando-lhes tudo que julgava essencial que compreendessem e, não obstante, parecia haver grande falta de interesse. Não se comoviam religiosamente. Desejaria dizer a esse sincero irmão, bem como a todos os que tenham idênticas dificuldades em seu trabalho: Examinai para ver se não sois responsáveis, em grande medida, por essa falta de interesse religioso.

Observações Cansativas

Muitos procuram fazer demais, deixando de animar os professores e estudantes a fazer o que lhes é possível. Precisam de grande simplicidade e fervor religioso. Na Escola Sabatina e na reunião dos professores, fazem discursos longos e secos, fatigando a mente dos professores e alunos. Essas observações estão muito fora de propósito. Não adaptam sua instrução às necessidades reais da escola e falham em atrair a si os corações, pois seu próprio coração não está cheio de simpatia espiritual. Não compreendem que,

Pág. 167

com seus discursos longos e enfadonhos, estão matando o interesse e o amor pela escola. ...

Quando o coração dos obreiros for unido em simpatia com Cristo, quando Jesus neles habitar pela fé viva, seus discursos não serão tão longos nem manifestarão metade da loquacidade de agora, mas o que dizem em amor e simplicidade alcançará o coração, levando-os em íntima simpatia com professores, alunos e membros da igreja.

Poder na Simplicidade

O verdadeiro educador conquistará o coração dos ouvintes. Suas palavras serão poucas, mas fervorosas. Vindas do coração, serão cheias de simpatia, aquecidas com o amor pelas preciosas almas. Podem ser limitadas suas vantagens educacionais, pode possuir pouca habilidade natural, mas o amor pela obra e a prontidão em trabalhar com humildade o habilitarão a despertar profundo interesse tanto nos professores como nos alunos, atraindo a si o coração dos jovens. Seu trabalho não será mera formalidade. Pode ter a habilidade de extrair, tanto dos professores como dos alunos, preciosas gemas de verdades espirituais e intelectuais e, assim, educando a outros, educa-se a si mesmo. Os alunos não se intimidam por sua ostentação de profundo saber e, em linguagem simples, contam qual a impressão que a lição lhes exerceu no espírito. O resultado é um profundo e vivo interesse na escola. Pela simplicidade do evangelho de Cristo, alcançou-os onde estavam.

Pág. 168

Tocou-lhes o coração, podendo agora moldá-los à imagem de seu Mestre.

Um intelecto agudo e penetrante pode ser vantajoso, mas o poder do educador reside em sua íntima união com a Luz e a Vida do mundo. Amará a humanidade e sempre procurará levá-la a um nível mais elevado. Não estará sempre censurando outros, mas terá o coração cheio de piedade. Não será grande a seus próprios olhos nem procurará constantemente favorecer a si mesmo, elevando sua dignidade; mas a humildade de Jesus se personificará em sua vida. Experimentará a verdade das palavras de Jesus: "Sem Mim nada podereis fazer." João 15:5. Há grande necessidade de tais professores. Deus cooperará com eles. "Aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração"(Mat. 11:29), declara Cristo. Muitos que se empenham na obra da Escola Sabatina, precisam ser divinamente iluminados. Falta-lhes visão espiritual para compreender as necessidades das pessoas por quem trabalham. ...

Evitar a Crítica e a Aspereza

Diretores, não ralheis nem vos queixeis em presença de professores ou alunos. Se desejais influenciar a escola para o bem, ponde de parte o açoite e exercei uma inspiradora influência celestial, que vos conquistará a mente de todos. Ao fazer planos e regulamentos para a escola, que eles representem tanto quanto possível, a voz da mesma. Em algumas escolas, há um forte espírito de crítica. Há muita regra e formalismo, enquanto o mais importante, a misericórdia e o amor

Pág. 169

de Deus, é negligenciado. Haja boa disposição da parte de todos. Se alguém tiver a alma rodeada de trevas, deve trabalhar fora, ao sol, antes de entrar na Escola Sabatina. A mãe, que constantemente fala de suas decepções, queixando-se aos filhos de sua falta de apreciação, não pode exercer sobre eles adequado controle. O mesmo se dará convosco, professores e diretores. Se notais uma falta a esse respeito, não deveis diminuir vossa influência, falando disso; mas exercei influências que corrijam o mal. Planejai, estudai como conseguir uma escola bem organizada, bem disciplinada. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 16-19.

Observação de uma Criança

Certa vez, ao dirigir uma Escola Sabatina, um diretor geral foi muito seco, cansativo e desinteressante. Uma mãe perguntou a sua filha de dez anos se ela apreciara o culto, e o que dissera o pastor. Respondeu a menina: "Ele falou, falou, falou, e não disse nada." Ora, nós não queremos um relatório como esse acerca de nosso trabalho. Para a obra que possivelmente nós mesmos tenhamos de fazer, é-nos preciso o melhor preparo, a fim de termos êxito ao ensinar aos outros aquilo que aprendemos. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 111 e 112.

Pontualidade

É uma triste falha o fato de muitos estarem sempre atrasados em relação ao tempo no sábado de manhã. São muito

Pág. 170

cuidadosos de seu tempo particular, e não se permitem perder uma hora sequer; mas o tempo do Senhor, do único dia dos sete que Ele reivindica como Seu, e pede que a Ele o devotemos, uma boa parte é dissipada em virtude de levantarem-se tarde da cama pela manhã. Estão desta forma roubando a Deus. Isto os leva a se atrasarem em tudo; produz confusão na família, resultando afinal em chegarem todos tarde à Escola Sabatina e talvez, ao culto. Mas por que não nos havemos de levantar com os pássaros e oferecer louvores e agradecimentos a Deus? Experimentai-o, irmãos e irmãs. Tende tudo preparado na véspera, e vinde prontamente para a Escola Sabatina e culto, e assim não apenas beneficiareis aos outros mas recebereis ricas bênçãos. The Youth's Instrutor, 19 de março de 1879.

A pontualidade e decisão na causa e obra de Deus são altamente essenciais. Testimonies, vol. 3, pág. 500.

Começar na Hora Certa

As reuniões de conferências e oração não devem tornar-se tediosas. Todos devem estar prontos, se possível, na hora indicada; e se há retardatários, que estejam atrasados meia hora, ou mesmo quinze minutos, não se deve esperar por eles. Se houver apenas dois presentes, podem reivindicar a promessa. A reunião deve ser iniciada na hora marcada, se possível, estejam presentes muitos ou poucos. Review and Herald, 3 de maio de 1871.

Pág. 171

Como Tratar Alunos Extraviados

Na Escola Sabatina seremos chamados a tratar com os que cometem faltas e caem em pecado e erro. Em Sua palavra, Cristo nos deu lições muito claras com referência ao tratamento dos que erram, mas muitos têm falhado na prática dessas lições. Não as estudaram, entesourando-as no coração, para que o Espírito Santo pudesse iluminar o entenebrecido entendimento, sensibilizando e quebrantando o coração de pedra tanto do professor como do aluno. O Espírito Santo tornará o coração sensível e compassivo, libertando-o do orgulho e egoísmo.

Pela sua má conduta, os alunos na Escola Sabatina são propensos a fazer aquilo que aborrecerá o professor, mas este não deve dizer palavras severas e manifestar um espírito desgovernado; pois, assim procedendo, não estará usando a espada do Espírito, mas as armas de Satanás. Embora seja difícil a má conduta do aluno, embora o mal deva ser corrigido, observadas as regras e a justiça respeitada, o professor deve observar o caminho do Senhor, unindo a misericórdia à justiça. Contemple ele a cruz do Calvário, considerando como a misericórdia e a verdade se encontraram, como a justiça e a paz se beijaram. Lá, por meio do sacrifício divino, pode o homem reconciliar-se com Deus. Ao contemplar o amor de Cristo, abrandar-se-vos-á o coração para tratar a juventude como a membros mais novos da família do Senhor. Lembrar-vos-eis de que são propriedade de Cristo

Pág. 172

e vosso desejo será tratá-los como Ele vos tratou.

O tratamento áspero nunca ajudará o jovem a ver seus erros ou a reformar-se. Que as regras e regulamentos da escola sejam executados no Espírito de Jesus e, quando a repreensão se fizer necessária, que essa desagradável tarefa seja feita com tristeza unida ao amor. Não deveis sentir ser vosso dever repreender abertamente ao aluno, humilhando-o assim diante de toda a classe. Não será esse um exemplo adequado para as crianças, pois será como semente que há de produzir colheita semelhante. Nunca anuncieis os erros de qualquer aluno fora do círculo em que precisam ser conhecidos, pois, se assim for feito, deixar-se-á na mente a impressão de que a pessoa em falta foi tratada injustamente, criando-se simpatia para com ela. Ao expor a pessoa em falta, poderá ela ser lançada ao campo de batalha de Satanás, e desse momento em diante ir decididamente para baixo. Cristo nos suportou longamente e devemos ser semelhantes a Ele. Não nos rejeita por causa de nossos erros, mas repreende com ternura, atraindo-nos a Si pelo amor.

Necessitam-se Sabedoria e Paciência

Se o professor verificar ser impossível sujeitar um aluno à disciplina, deve removê-lo para outra classe; pois talvez outro professor seja capaz de suprir a deficiência. O que falta a um professor, outro pode possuir; mas, se puderdes obter a confiança do jovem, unindo-o ao vosso coração pelos laços de simpatia e amor talvez conquisteis uma pessoa para Cristo.

Pág. 173

O rapaz caprichoso, voluntarioso, independente, pode vir a transformar-se no caráter.

Conquanto seja necessário ter amor e simpatia para com os alunos, é manifesta fraqueza mostrar parcialidade, levantando assim suspeita e ciúme. As crianças discernem prontamente as preferências do professor e muitas vezes o aluno favorecido mede sua força, aptidão e habilidade com as do professor no manejo da classe, podendo decidir-se a ser mestre. A menos que tenha a graça de Cristo, o professor manifestará fraqueza, tornando-se impaciente, exigente e severo. O líder da classe geralmente transmitirá seu propósito a outros alunos e haverá um esforço combinado para obter o domínio. Se, pela graça de Cristo, o professor exercer domínio próprio, segurando as rédeas com mão firme e paciente, subjugará o elemento impetuoso e preservará o respeito próprio e o acatamento dos alunos. Uma vez restabelecida a ordem, devem-se manifestar bondade, mansidão e afeto. Pode ser que a rebelião se repita muitas vezes, mas não mostreis temperamento impulsivo. Não faleis severamente à pessoa em falta, desanimando uma alma em luta com o poder das trevas. Calai-vos e elevai o coração a Deus, suplicando auxílio. Anjos vos estarão ao lado, ajudando-vos a levantar o estandarte contra o inimigo e, em vez de excluir o extraviado, sereis habilitados a ganhar uma pessoa para Cristo. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 77-80.

Pág. 174

Como Alcançar o Respeito

Reconheçam os professores que, qualquer que seja a dificuldade, devem eles defrontá-la no espírito de Jesus. Não enfrenteis contenda com contenda. Tereis de tratar com voluntariosidade, teimosia, indolência e frivolidade, mas, em todas as emergências, manifestai bondade e amor e, por meio de paciência e domínio próprio, conservai a afeição dos alunos, dando-lhes motivo para crer que todo vosso desejo é fazer-lhes bem. Demonstrai a vossos alunos que confiais neles. Visitai-os em seus lares, convidando-os para ir a vossa casa. Que eles vejam que os amais não só em palavra, mas em obra e verdade.

O professor não precisa ter pretensões especiais à dignidade, desde que obtenha o respeito dos alunos por meio de um comportamento semelhante ao de Cristo, manifestando bondade e cortesia cristãs. Deve educar os alunos como Cristo educou Seus discípulos, fazendo impressões que o tempo não possa apagar. Sua influência deve moldar os alunos segundo o divino Modelo e, se assim proceder, só a eternidade revelará o valor de seu trabalho. O professor deve despertar nos alunos a natureza moral, inspirando-lhes o desejo de corresponder aos instrumentos divinos.

Quebrar a Vontade

Nunca se deveriam empregar como professores os que são egoístas, impertinentes, ditatoriais, rudes e grosseiros, e que não consideram cuidadosamente os sentimentos de outros.

Pág. 175

Exercerão sobre os alunos desastrosa influência, moldando-os segundo seu próprio caráter e assim perpetuando o mal. Pessoas desse caráter esforçar-se-ão por quebrar a vontade de um rapaz indisciplinado, mas Cristo não autorizou tal maneira de tratar com os que erram. Por meio de sabedoria celestial, mansidão e humildade de coração, os professores se habilitarão a dirigir a vontade e a conduzi-la pelo caminho da obediência; porém. ninguém imagine que, por meio de ameaças, se obtenha a afeição do aluno. Precisamos trabalhar como Cristo trabalhou.

Muitos avaliam pouco a malignidade de um erro em si mesmos, enquanto reconhecem inteiramente a influência do mesmo em outros. Por toda parte encontramos os que ignoram completamente que possuem características que precisam ser modificadas. Outros vêem seus repreensíveis traços de caráter, mas, ao serem repreendidos, imaginam-se mal julgados. À luz da eternidade, deve o professor examinar atentamente o próprio coração, a fim de representar perante os alunos aquilo que ele deseja que sejam. Devem aprender diariamente na escola de Cristo, permanecendo nEle como o ramo na videira, para que possa comunicar aos outros o que dEle recebeu.

Disciplina Própria

O professor que deseja sujeitar os alunos à disciplina, deve primeiramente colocar-se sob a influência de Cristo, que declarou: "Quem Me segue não andará em trevas, mas terá a luz da

Pág. 176

vida." João 8:12. Sendo divinamente iluminados, trabalhareis como Cristo trabalhou, pois, por vosso intermédio, Sua luz poderá brilhar sobre o caminho de todo transgressor impenitente com quem vos associais. Sois realmente um mestre nos caminhos de Deus? Se fordes professor convertido, sereis capaz de conquistar, não afastar, atrair, não repelir as pessoas por quem Cristo morreu. Tendo cuidado das ovelhas e cordeiros do rebanho de Cristo, haveis de guardá-los. Se se desviarem, não haveis de deixá-los perecer, mas saireis a procurar e salvar o que se tiver perdido. Todo o Céu se prontificará a ajudar-vos nessa boa obra. Os anjos vos auxiliarão em vossos esforços por encontrar a chave que abrirá o coração do mais incorrigível e indisciplinado. Recebereis graça e força especiais por meio de Cristo, que de Sua incomensurável plenitude vos pode suprir abundantemente. Sereis então qualificados para cooperar com Deus e ser um com Cristo em vosso esforço para salvar os perdidos, e o resultado de vosso trabalho de amor será visto não só agora, mas através de toda a eternidade. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 80-82.

Relembrando Nossa Infância

Alguns pais - como também alguns professores - parece esquecerem que já foram uma vez crianças. São sérios, frios e hostis. Onde quer que sejam levados em contato com os jovens - no lar, na Escola Primária, na Escola Sabatina ou na igreja - mantêm o mesmo ar autoritário, e sua fisionomia apresenta sempre uma expressão de solene reprovação.

Pág. 177

A alegria, as travessuras, a incessante atividade da vida jovem, não encontram desculpa aos seus olhos. Insignificantes peraltices são tratadas como graves pecados. Tal disciplina não é cristã. Crianças assim educadas temem os pais ou professores mas não os amam; não confiam a eles suas experiências infantis. Algumas das mais preciosas qualidades da mente e coração arrefecem até à morte, como a tenra planta ante o vento hibernal.

Sorride, pais; sorride, professores. Se tendes o coração pesaroso, não permitais que vossa face o revele. Permiti que o sol que brilha num coração pleno de gratidão e amor vos ilumine o rosto. Aliviai-vos da férrea dignidade; adaptai-vos às necessidades das crianças e fazei que elas vos amem. Necessitais conquistar-lhes a afeição, se desejais imprimir em seus corações a verdade da religião. Fundamentos da Educação Cristã, pág. 68.

O Poder do Silêncio

Os que desejam governar a outrem devem primeiramente governar-se a si mesmos. O tratar apaixonadamente com uma criança ou jovem, somente despertará o seu ressentimento. Quando um pai ou professor se torna impaciente e está em perigo de falar imprudentemente, fique em silêncio. Há um maravilhoso poder no silêncio.

O professor deve esperar encontrar disposições perversas e corações rebeldes. Mas ao tratar com eles nunca deve esquecer-se de que ele mesmo foi criança, necessitando de disciplina. Mesmo agora com todas as vantagens de idade, educação e experiência,

Pág. 178

muitas vezes erra, e necessita de misericórdia e perdão. Tratando com os jovens, deve ter em vista que está a tratar com os que têm inclinações para o mal, idênticas às suas. Eles têm quase tudo a aprender, e para alguns isso é muito mais difícil do que para outros. Com o aluno ignorante deve conduzir-se pacientemente, não censurando sua ignorância, mas aproveitando toda oportunidade de o animar. Com alunos sensíveis e nervosos, deve tratar com brandura. A intuição de suas próprias imperfeições deve constantemente levá-lo a manifestar simpatia e paciência para com os que também estão a lutar com dificuldades.

A regra do Salvador - "Como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira fazei-lhes vós também" (Luc. 6:31) - deve ser a regra de todos os que empreendem a educação das crianças e jovens. Estes são os membros mais novos da família do Senhor; herdeiros conosco da graça da vida. A regra de Cristo deve ser religiosamente observada em relação aos menos inteligentes, aos de menor idade, aos mais desatinados, e mesmo aos transviados e rebeldes. ...

Os Braços Estendidos de Cristo

O divino Mestre suporta os que erram, em toda a perversidade deles. Seu amor não se arrefece; não cessam Seus esforços para ganhá-los. Com os braços estendidos Ele espera para, repetidas vezes, dar as boas-vindas aos errantes, rebeldes, e mesmo aos apóstatas. Seu coração Se sensibiliza com o desamparo da criancinha sujeita a um tratamento severo. O clamor do sofrimento humano jamais atinge Seu ouvido em vão. Se bem que todos

Pág. 179

sejam preciosos a Sua vista, as disposições incultas, intratáveis, obstinadas, atraem mais intensamente Sua simpatia e amor; pois Ele avalia os efeitos pelas causas. Aquele que mais facilmente é tentado e mais propenso a errar, constitui o objeto especial de Sua solicitude.

Todo pai e professor deve lembrar os atributos dAquele que faz da causa dos aflitos, sofredores e tentados, a Sua própria causa. Deve ser pessoa que possa "compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados, pois também ele mesmo está rodeado de fraqueza". Heb. 5:2. Jesus nos trata muito melhor do que merecemos; e assim como Ele nos tem tratado devemos tratar aos outros. Não se justifica o procedimento de nenhum pai ou professor, que seja diferente daquele que o Salvador seguiria, sob idênticas circunstâncias. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 119-121.

Essencial a Disciplina e a Ordem

Em nossas Escolas Sabatinas deve haver disciplina e ordem. As crianças que as freqüentam, devem apreciar os privilégios que gozam, e deve-se-lhes exigir que observem os regulamentos da escola. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 7 e 8.

Se, pela fé, Cristo lhe habitar no coração [do professor], o pecado tornar-se-lhe-á revoltante. Conquanto tenha amor, bondade e ternura para com os alunos ao seu cuidado, reconhecerá que, como servo fiel, deve disciplinar e preservar a ordem na classe. Se acariciar a verdade, o amor do Salvador revelar-se-á em suas palavras e comportamento.

Pág. 180

Para ele a Palavra de Deus não é letra morta; ele prestará serviço não só com os lábios, mas com o coração. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 25 e 26.

Manter o Domínio Próprio

Os alunos de vossa classe podem ser obstinados e inclinados ao mal, provando severamente a vossa paciência e, não obstante, seu coração é o terreno em que podeis semear a semente celestial que produzirá bons frutos. Se não estiver possuído do Espírito de Deus, o professor perderá o ânimo, o domínio próprio e, por meio de uma palavra impaciente ou de severa repreensão, anulará toda a sua influência e sua obra será um fracasso. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 44.

Repreender, Acusar, Irar-se não Adianta

Repreender, acusar e irar-se, quando os alunos manifestam espírito de desassossego e travessura, nenhum bem produzirá. Lembrai-vos de que deveis ser pacientes coobreiros de Deus e que todo o Céu se interessa no trabalho que estais fazendo. Qualquer parte na obra de Deus significa labuta e angústia de alma. "Portai-vos varonilmente e fortalecei-vos." I Cor. 16:13. Perguntai a vosso Mestre, que Se submeteu à humilhação e suportou a morte de cruz: Que queres que eu faça? Empregai na obra todos os talentos que vos foram confiados e negociai com eles. A graça de Cristo vos habilitará a fazer precioso trabalho para o Mestre. Tendes ao vosso dispor a riqueza dos divinos recursos e, por meio de

Pág. 181

oração e fé, podeis apoderar-vos das promessas de Deus, adaptando-as a vossas necessidades.

O Amor, Poder que Subjuga

Consagrai-vos inteiramente ao serviço dAquele que vos amou e Se entregou a Si mesmo por vós. Disse Jesus: "Nisto é glorificado Meu Pai: que deis muito fruto; e assim sereis Meus discípulos." João 15:8. Isto se aplica tanto à Escola Sabatina como ao ministério. É agora a áurea oportunidade de semear a preciosa semente que há de germinar e produzir frutos para a vida eterna. Podeis ser agora um cheiro de vida para vida, pois quando transmitis a outros a verdade que obtivestes por meio de profunda experiência, ela possui poder vivificador, que impressionará os corações, atraindo-os a Jesus. Quando Cristo está atraindo e Seus coobreiros trabalham em harmonia com Ele, deve ser realmente duro o coração que não se sinta impressionado e subjugado pelo poder do divino amor. Testimonies on Sabbath Work, págs. 69 e 70.

Competições e Prêmios

No sábado de manhã [acampamento de Marshalltown, Iowa, 16 de agosto de 1884], reuniu-se um grande grupo para a Escola Sabatina. Arranjaram-se logo classes, incluindo todos menos uns poucos que preferiram assentar-se fora da tenda. Mas esses não ficaram a seus próprios cuidados; foram designados professores, e formaram-se duas ou três classes interessantes. Todos se achavam ocupados como abelhas, e por toda parte, tanto na tenda como fora, ouvia-se zunzum de vozes.

Pág. 182

A escola foi bem dirigida e em boa ordem, e para mim os trabalhos foram muito interessantes.

Falei-lhes, a pedido, cerca de trinta minutos, admoestando-os a não deixar a Escola Sabatina degenerar em mera rotina mecânica. Não devemos procurar imitar as escolas dominicais, nem conservar o interesse por meio de oferecimento de prêmios. O oferecimento de recompensas, produzirá rivalidade, inveja e ciúme; e alguns dos que forem os mais diligentes e dignos receberão pouco apreço. Os alunos não devem procurar ver quantos versículos são capazes de aprender e dizer de cor; pois isso produz demasiado esforço na criança ambiciosa, ao passo que as demais se tornam desanimadas.

Não experimenteis em vossa Escola Sabatina nenhum desses métodos, mas façam os diretores e professores todo esforço para que a escola tenha vida e interesse. Que bênção não seria se todos ensinassem como Jesus o fazia! Não era Seu desígnio atrair a atenção pela eloqüência e grandeza de sentimento. Ao contrário, Sua linguagem era singela, e Seus pensamentos expressos com grande simplicidade; mas falava com amorável fervor. Em vosso ensino, aproximai-vos dEle tanto quanto possível. Tornai interessantes vossos exercícios. Demonstrem os professores que aprenderam bem a lição e por ela se interessam intensamente. Não haja frívolas ou superficiais interpretações das Escrituras, mas estejam todos preparados para ir ao âmago do assunto apresentado. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 110 e 111.

Pág. 183

A Escola Sabatina e o Culto

A Escola Sabatina de ... tornara-se para o irmão E. o grande e único tema de interesse. Absorvia ela a mente dos jovens, enquanto outros deveres religiosos eram negligenciados. Freqüentemente, depois de terminada a Escola Sabatina, o diretor, alguns professores e alunos voltavam para casa, a fim de descansar. Sentiam estar, nesse dia, terminada sua responsabilidade e não terem mais dever algum. Quando o sino anunciava a hora do serviço público, o povo, que partia de seus lares para a casa de culto, encontrava grande parte da escola que voltava para casa. E, embora importante, a reunião não conseguia despertar-lhes o interesse na instrução dada pelo pastor sobre valiosos assuntos bíblicos. Ao passo que muitas das crianças não assistiam ao serviço público, as que ficavam não recebiam auxílio da palavra falada, porque a julgavam enfadonha. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 7.

Escolas Sabatinas de Grupos Pequenos

Podem-se levantar, em muitos lugares, grupos de observadores do sábado. Muitas vezes não são grandes, mas não devem ser negligenciados nem deixados a morrer por falta de preparo e adequado esforço pessoal. O trabalho não deve ser deixado prematuramente. Antes de partir de um para outro campo, vede que todos estejam inteirados da verdade, estabelecidos na fé e interessados em cada ramo da obra. ...

Pág. 184

Tem-se provado no campo missionário que, qualquer que seja o talento do pregador, se a parte prática for negligenciada, se o povo não for ensinado a trabalhar, a dirigir reuniões, a fazer sua parte no trabalho missionário e a alcançar com êxito o povo, a obra será qual um fracasso. Na Escola Sabatina, há também muito a ser feito no sentido de levar o povo a compreender seu dever e a desempenhar sua parte. Deus chama-os para Seu trabalho, e os pastores devem guiar-lhes os esforços. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 109.

A Escola Sabatina nas Reuniões Gerais

Caros irmãos e irmãs, que assistis a nossas reuniões anuais, desejo dirigir-vos algumas palavras em benefício de nossas Escolas Sabatinas. É este um dos ramos da obra, e não deve ser deixado ao acaso ou dirigido a esmo. Se essas Escolas Sabatinas fossem dirigidas como deviam, seriam aprofundados os esforços feitos no púlpito para apresentar a verdade de maneira a ganhar pessoas; e se o trabalho feito for apoiado por obreiros interessados na Escola Sabatina, grande bem será feito. Mas não é suficiente fazer a Escola Sabatina mover-se como bem regulado maquinismo. Deve haver obreiros práticos; os professores devem ter viva união com Deus, desejo de estudar, dando tempo e fervor moral a seu trabalho e não se sentindo satisfeitos antes de terem realizado alguma coisa. ...

Pág. 185

É importante que, nas Escolas Sabatinas de nossas reuniões gerais, os exercícios sejam dirigidos com ordem, prontidão e eficiência. Assim, ao voltar o povo para seu lar, será dado o devido cunho às Escolas Sabatinas de diferentes igrejas. Não permitais que negócios ou outros interesses ocupem a atenção da Escola Sabatina, de modo a ser ela considerada uma questão de nenhuma importância especial. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 12-14.

Sugerem-se Cursos Locais

As instruções relativas à direção da Escola Sabatina devem, em grande parte, ser dadas nas igrejas locais, pois assim o trabalho será mais direto e os resultados mais permanentes. Esta obra não requer os esforços dos pastores, que devem estar livres para atender aos interesses espirituais do povo. Devem eles ensinar aos outros como agir. Precisam instruir o povo quanto à maneira de ir ao Senhor e como levar outros a Ele. Testimonies on Sabbath School Work, págs. 113 e 114.

Convenções da Escola Sabatina

Pergunta. Acha a Irmã White que os pormenores do trabalho de preparar os obreiros da Escola Sabatina pertencem à mesma categoria? [Isto é, à mesma categoria que treinar colportores e obreiros bíblicos, e realizar aulas culinárias em nossas reuniões campais.]

Pág. 186

Resposta. Exatamente: não é esse o lugar para isso. Isso deve ser feito, mas tem seu tempo e lugar.

Pergunta. Julga que se deva realizar, para esse fim, uma convenção da Escola Sabatina?

Resposta. Isso está certo; reúnam-se os encarregados da responsabilidade dessa obra e não detenham o povo lá [nas reuniões anuais] para ouvir essas particularidades. Eles não têm trabalho especial para fazer nesse ramo. O tempo é demasiado precioso para ser gasto dessa maneira. Testimonies on Sabbath School Work, pág. 114.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal