Diligência - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Diligência

A Bíblia Responde > XII – Crescimento e Experiência Cristãs
A Bíblia Responde - Capítulo nº 12 - Crescimento e Experiência Cristãs

1. Que mandamento geral deu Deus concernente ao trabalho?

"Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra." Êxo. 20:9.

2. Em vez de vivermos das economias alheias, que instrução nos é dada?

"Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha que repartir com o que tiver necessidade." Efés. 4:28.

3. Que regra geral apresenta S. Paulo sobre esse particular?

"Porque quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que se alguém não quiser trabalhar, não coma também." II Tess. 3:10.

4. Com que palavras condena ele a ociosidade?

"Porque ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes fazendo coisas vãs. A esses tais, porém, mandamos e exortamos por nosso Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando com sossego, comam o seu próprio pão." II Tess. 3:11 e 12.

5. Em que se apresentou como exemplo o próprio apóstolo?

"Nem de graça comemos o pão de homem algum, mas com trabalho e fadiga, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós." II Tess. 3:8.

6. Que trabalho foi imposto ao homem em consequência do pecado?

"A o suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra." Gén. 3:19.

Uma vida de trabalho laborioso e contínuo, num mundo amaldiçoado com ervas daninhas, espinhos e cardos, foi indicado ao homem em consequência da entrada do pecado. Isso era parte da maldição. Não obstante, mesmo isso foi imposto com amor, e, sob as circunstâncias então vigentes, é uma bênção disfarçada. Foi uma disciplina que se tornou necessária por causa do pecado, para pôr um freio à condescendência com o apetite e as paixões, para formar hábitos de operosidade e domínio próprio, e ensinar lições de vencer o mal. Se o homem não fosse levado a trabalhar assim, seus pecados e misérias seriam multiplicados inúmeras vezes.
7. Quais são alguns dos resultados da operosidade?

"O que lavrar a sua terra virá a fartar.se de pão." Prov. 28:19. "A mão dos diligentes enriquece." Prov. 10:4. "A alma dos diligentes engorda." Prov. 13:4.

8. Que resultados produzem nos negócios a fraude e a indolência?

"O que trabalha com mão enganosa empobrece." Prov. 10:4. "A alma do preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança." Prov. 13:4.

9. Que diz Salomão no tocante à diligência nos negócios?

"Tudo quanto te vier à mão para fazer, fá-lo conforme as tuas forças." Ecl. 9:10. "Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; põe o teu coração sobre o gado." Prov. 27:23. "O que ajunta no verão é filho entendido, mas o que dorme na sega é filho que envergonha." Prov. 10:5.

"O caminho para a riqueza, se o desejais, é simples como o que conduz ao mercado. Depende de duas palavras — operosidade e frugalidade; isto é, não perder tempo nem dinheiro, mas fazer o melhor com ambos. Sem operosidade nem frugalidade coisa alguma se faz, e com elas, tudo." — Benjamim Franklin.
10. Que diz Salomão da mulher ativa?

"Olha pelo governo da sua casa, e não come o pão da preguiça. Levantam-se os seus filhos, e chamam-na bem-aventurada; como também seu marido, que a louva." Prov. 31:27 e 28.

11. Que diz S. Paulo do cristão professo que não provê o necessário para sua própria família?

"Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel." I Tim. 5:8.

12. Que quadro do preguiçoso apresenta Salomão?

"Passei pelo campo do preguiçoso, e junto à vinha do homem falto de entendimento; e eis que toda estava cheia de cardos, e a sua superfície coberta de urtigas, e a sua parede de pedras estava derribada." Prov. 24:30 e 31. 

"O indolente respira, mas não vive." — Cícero.

"O pai que não ensina ao filho um ofício, ensina-o a ser ladrão." — Provérbio brâmane.

"Quando a agricultura começa seguem-se-lhe outras artes. Os agricultores, portanto, são os fundadores da civilização humana." — Daniel Webster.

"Se o homem é indolente, a melhor disciplina a que pode ser submetido é sofrer os males da penúria." — Wayland.

"Nada pode ser feito com o homem que não quer trabalhar. Não temos em nosso plano de governo lugar para o homem que não queira pagar sua passagem pela vida com aquilo que faz. ... A capacidade para o trabalho é absolutamente necessária, e de nenhum homem se pode dizer que viva, no verdadeiro sentido do termo, se não trabalhar." — Theodore Roosevelt.

"A sorte está à espera de que alguma coisa aconteça. O trabalho, com visão aguda e força de vontade, produzirá alguma coisa. A sorte choraminga. O trabalho assobia. A sorte confia nas oportunidades. O trabalho, no caráter. A sorte resvala para a indigência. O trabalho ascende para a independência. A sorte fica de cama, e deseja que o carteiro lhe traga notícia de uma herança. O trabalho levanta-se às seis horas, e com pena diligente ou martelo sonante lança o alicerce de um cabedal." — Cobden.

13. Em assuntos espirituais, que é também necessário?

"E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude e à virtude a ciência. ... Procurai fazer cada vez mais firme a vossa eleição e vocação." II S. Ped 1:5-10.

Em assuntos temporais, a diferença entre o homem próspero e o indolente reside principalmente no aproveitamento das oportunidades.

Um as aproveita, enquanto o outro é indolente demais para fá- lo. Na conquista da vida eterna, este mesmo princípio é aplicável. Deus pôs a salvação ao nosso alcance. Ninguém precisa perder-se. Cristo morreu por todos, mas nem todos serão salvos, porque alguns não se interessam diligentemente pela vida eterna para se apossarem dela.

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal