Confissão de Faltas e Perdão Mútuos - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Confissão de Faltas e Perdão Mútuos

A Bíblia Responde > XII – Crescimento e Experiência Cristãs
A Bíblia Responde - Capítulo nº 12 - Crescimento e Experiência Cristãs

1. Que prometeu Deus fazer quando confessarmos nossos pecados?

"Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." 1 S. João 1:9.

2. Como se tornou possível o perdão dos pecados?

"Se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo; e Ele é a propiciação pelos nossos pecados." I S. João 2:1 e 2.

3. A quem devem ser confessados os pecados, e por quê?

"Contra Ti, contra Ti, somente pequei, e fiz o que a Teus olhos parece mal." Sal. 51:4. Ver Gên. 39:9.

4. Que instrução existe no tocante à confissão de faltas?

"Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis." S. Tia. 5:16.

A Bíblia faz distinção entre pecado e falta. Pecamos contra Deus; porque pecado é transgressão da lei. I S. João 3:4. Faltamos uns para com os outros. Essas ofensas, se bem que envolvam pecado, são chamadas faltas, e devem ser corrigidas por meio de confissão e perdão. O único remédio indicado pela Palavra de Deus é a confissão sincera. Diz um autor, com muita precisão: "Confessai vossos pecados a Deus, que é o único que vos pode perdoar, e vossas faltas uns aos outros. Se ofendestes a vosso amigo ou próximo, deveis reconhecer vossa culpa, e é seu dever perdoar-vos plenamente. Deveis buscar então o perdão de Deus, porque o irmão a quem feristes é propriedade de Deus e, ofendendo-o, pecastes contra seu Criador e Redentor."

Confessar as faltas cometidas não é coisa tão fácil de fazer; de fato é uma das lições mais difíceis de aprender, exige a graça da humildade, bem como da tristeza e verdadeiro arrependimento. Tem sido dito que as palavras mais difíceis de serem pronunciadas são: "Cometi um erro." Ao escrever Frederico o Grande ao senado prussiano: "Acabo de perder uma batalha, por culpa exclusivamente minha," diz Goldsmith, "sua confissão mostra maior grandeza do que suas vitórias." 
A confissão não deve ser somente completa, mas ser também tão ampla e tão pública quanto a falta. As ofensas particulares deverão ser confessadas em caráter privado.

5. Ao procedermos mal, que é que naturalmente fazemos?

Desculpar-nos, buscar encobrir, ou acusar alguém. Ver Gén. 3:12 e 13; 4:9.

6. Depois de o grande pecado de Davi lhe ter sido apontado, que disse ele?

"Pequei contra o Senhor." II Sam. 12:13. "Eu conheço [versão Brasileira "reconheço"] as minhas transgressões." Sal. 51:23.

7. Quando, de coração contrito, Davi confessou seu pecado, qual foi a palavra que Deus lhe transmitiu por Seu profeta Nata?

"Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. E disse Natã a Davi: Também o Senhor traspassou o teu pecado; não morrerás." II Sam. 12:13.

Este passo é especialmente animador. Deus odeia o pecado. Da mesma maneira quer Ele que o odiemos e abandonemos, porque invariavelmente nos põe em dificuldade, causa tristeza de coração e, por fim, produz a morte. Uma vez cometido o pecado, como no caso de Davi, logo que tenha sido reconhecido e confessado com sinceridade, nesse mesmo momento é ele perdoado. Davi disse: "Pequei." A resposta imediata foi: "Também o Senhor traspassou o teu pecado."

8. É correto informar um irmão de suas faltas?

"Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir ganhaste a teu irmão." S. Mat. 18:15. "Não aborrecerás a teu irmão no teu coração; não deixarás de repreender o teu próximo, e nele não sofrerás pecado." Lev. 19:17.

9. Em que espírito deve ser feita essa espécie de trabalho?

"Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado." Gál. 6:1.

É muito mais fácil contar a qualquer outra pessoa as faltas dam irmão, do que contá-las a ele próprio; mas não é essa a maneira cristã de proceder. Os primeiros esforços devem ser feitos cora o culpado em pessoa, e a sós. Mas é mais fácil também contar a um irmão suas faltas, do que confessar-lhe nossa própria falta, isto também, notasse, é a lição dificílima que devemos aprender e o dever difícil que o cristão precisa cumprir. Só a humildade e a graça de Deus farão a pessoa cumpri-lo.

10. Ao orarmos, que diz Cristo para fazermos, e por quê?

"E quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos Céus, vos perdoe as vossas ofensas." S. Mar. 11:25.
11. Se não perdoarmos aos outros, que não fará Deus?

"Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está nos Céus, vos não perdoará as vossas ofensas." S. Mar. 11:26. Ver, para ilustração, a parábola de Cristo registrada em S. Mat. 18:23-35.

12. Que palavras de José a seus irmãos mostram que ele lhes perdoara o haverem-no vendido para o Egito?

"Agora, pois não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face. ... Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus." Gén. 45:5-8.

13. Qual foi a resposta de Cristo à pergunta de Pedro quanto ao número de vezes que eles deveriam perdoar-se uns aos outros?

"Então Pedro, aproximando-se d’Ele disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete, mas até setenta vezes sete." S. Mat. 18:21 e 22.

Isto equivale a um número ilimitado. Devemos perdoar as ofensas contra nós, todas as vezes que forem cometidas; devemos perdoá-las até ao fim.

14. Que espírito manifestou Jesus para com os que O pregaram à cruz?

"E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem." S. Luc. 23:34.

15. Como manifestou Estêvão o mesmo espírito para com os que o apedrejaram?

"E apedrejaram a Estêvão, que em invocação, ... pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado." Atos 7:59 e 60. Ver I S. Ped. 4:8. 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal