As Sete Trombetas - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

As Sete Trombetas

A Bíblia Responde > VI – A Segura Palavra dos Profetas
A Bíblia Responde - Capítulo nº 06 - A Segura Palavra dos Profetas

1. Em seguida aos sete selos, sob que símbolos, foi mostrada ao apóstolo S. João a série seguinte de eventos sensacionais?

"E vi os sete anjos, que estavam diante de Deus, e foram-lhes dadas sete trombetas." Apoc. 8:2.

2. De que tratam essas trombetas?

Tratam de guerras, comoções, e insurreições políticas que resultaram no desmembramento e queda do Império — as primeiras quatro tratam da queda de Roma Ocidental, a quinta e a sexta da queda de Roma Oriental, e a sétima da queda final de Roma no seu sentido mais amplo, ou todos os reinos do mundo. Ver Apoc. 8, 9 e 11; 14-19. Trombeta é símbolo de guerra. Jer. 4:19 e 20; Joel 2:1-11.

3. Sob que figuras é descrita a primeira trombeta?

"E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva, e fogo misturado com sangue, e foram lançados na Terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada." Apoc. 8:7.

"O primeiro triste e pesado flagelo que caiu sobre o império romano do Ocidente na sua descida para a ruína, foi a guerra com os godos sob Alarico, que abriu o caminho para incursões ulteriores. O imperador romano Teodósio morria em janeiro de 395, e antes do fim do inverno já os godos sob Alarico estavam em pé de guerra contra o império.

"A primeira invasão sob Alarico assolou o Trácia, a Macedónia, a Ática e o Peloponeso, mas não atingiu a cidade de Roma. Na sua segunda invasão, porém, o general godo atravessou os Alpes e os Apeninos e apareceu diante dos muros da "cidade eterna," que em breve caiu como presa da fúria dos bárbaros.

'"Saraiva e fogo misturado com sangue' foram lançados na Terra. Os terríveis efeitos da invasão gótica são representados como 'saraiva,' devido ao fato de os invasores serem originários do Norte; 'fogo,' por terem sido destruídos pelo fogo tanto as cidades como os campos; e 'sangue,' devido à terrível mortandade dos cidadãos do império pelos ousados e intrépidos guerreiros." — Uriah Smith, As Profecias do Apocalipse, pág. 126. (Ver Gibbon, History of the Decline and Fali of the Roman Empire, Vol. 3, caps. 30-33.)

4. Que incisiva figura é usada para descrever a destruição efetuada sob a segunda trombeta?

"E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar. E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus." Apoc. 8: 8 e 9.

Descreve isto as invasões e conquistas dos vândalos ao comando do terrível Genserico — primeiro da África, mais tarde da Itália — de 428 a 476 A. D. Suas conquistas foram em grande parte no mar. Numa noite apenas, perto de Cartago, destruiu, pelo fogo e pela espada, mais que a metade da frota romana, que consistia de 1.300 navios e mais de 100.000 homens. Ver Decline and Fali of the Roman Empire, de Gibbon, cap. 36.

5. Que deveria ocorrer quando soasse a terceira trombeta?

"E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, forque se tornaram amargas." Apoc. 8:10 e 11.
São aqui preditas as devastadoras invasões e conquistas de Átila, o huno. Caracterizaram-se suas conquistas pelo fogo, pela espada e pela pilhagem ao longo do Reno, na Gália e ao norte da Itália. Dizia-se ele descendente de Ninrode, denominando-se o "Flagelo de Deus" e o "Terror do Mundo," jactando-se de que por onde passasse seu cavalo jamais a grama cresceria. Sua maior batalha foi em Chalon, na Gália, em 451 A. D., onde, de seus 700.000 homens, 100.000 a 300.000 diz-se haverem sido deixados mortos no campo. Ver Roma de Gibbon, cap. 35, e Fifteen Decisive Battles of the World, por Sir Edward Creasy, cap. 6.

Diz Gibbon (Cap. 34): "No reinado de Átila, os hunos se tornaram novamente o terror do mundo;" e prossegue descrevendo "o caráter e as ações daquele bárbaro formidável, que," diz ele, "alternadamente humilhou e invadiu o Oriente e o Ocidente, e motivou a rápida queda do Império Romano."

6. Que deveria acontecer ao se fazer ouvir a quarta trombeta?

"E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do Sol, e a terça parte da Lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite." Apoc. 8:12.


7. Qual deveria ser o caráter das últimas três trombetas?

"E olhei, e ouvi um anjo voar pelo meio do céu, dizendo com grande voz: Ai! ai! dos que habitam sobre a Terra! por causa das outras vozes das trombetas dos três anjos que hão de ainda tocar." Apoc. 8:13.

8. Depois da queda de Roma Ocidental, que poder surgiu no Oriente para devastar e invadir o mundo romano, oriental e ocidental?

O maometismo, geralmente conhecido como poder turco ou otomano, que surgiu na Arábia, com Maomé, em 622 A. D.

9. Como é apresentada a quinta trombeta, ou primeiro ai?

"E o quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na Terra; e foi lhe dada a chave do poço do abismo. E abriu o poço do abismo, e subiu fumo do poço, como o fumo de uma grande fornalha, e com o fumo do poço escureceu-se o Sol e o ar. E do fumo vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra." Apoc. 9:1-3.

Átila é simbolizado pela estrela da terceira trombeta (Apoc. 8:10 e 11) ; Maomé, pela estrela desta trombeta. O poço do abismo sem dúvida se refere aos desertos da Arábia, de onde vieram os maometanos, ou sarracenos da Arábia, semelhando nuvens de gafanhotos. O escurecimento ocasionado pelo fumo desse abismo muito acertadamente representa a propagação do maometanismo e suas doutrinas pela Ásia, África, e partes da Europa. Seu poder semelhante ao do escorpião é admiravelmente revelado em seus ataques rápidos e vigorosos e na destruição de seus inimigos.

"Em grande parte da Espanha, norte da África, Egito, Síria, Babilónia, Pérsia, norte da Índia, e partes da Ásia Central se espalharam — com maior ou menor exclusão dos costumes, língua e culto nativos — as maneiras, a língua e a religião dos conquistadores árabes." — General History, de Myers, pág. 401.

10. Que ordem foi dada aos gafanhotos?

"E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o sinal de Deus." Apoc. 9:4.

Quando as tribos árabes se espalharam para a conquista da Síria, em 633 A. D., o culto califa Abu-Bekr, sucessor de Maomé, instruiu os chefes de seu exército a não permitir que sua vitória fosse "manchada com o sangue de mulheres e crianças;" a "não destruir as palmeiras, nem queimar os campos de milho;" a "não cortar árvores frutíferas, nem fazer dano ao gado;" e a poupar as pessoas religiosas "que vivem retiradas em mosteiros e daquele modo se propõem servir a Deus;" mas, disse ele, "encontrareis outra espécie de gente, que usam a tonsura: feri-os com a espada." — Sir William Muir, The Caliphate, Its Rise, Decline, and Fali, pág. 65.

"Em pouco tempo tomaram [os sarracenos maometanos] aos arianos todas as principais velhas terras semitas — Palestina, Síria, Mesopotâmia, Assíria e Babilónia. A estas foi logo acrescentado o Egito." — Enciclopédia Britânica, artigo "Maometismo."

11. Que se diz terem sobre si os gafanhotos?

"E tinham sobre si um rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom [um destruidor]." Apoc. 9:11.

" 'Tinham sobre si rei.' Desde a morte de Maomé até perto do fim do século treze, os maometanos estiveram divididos em várias facções sob diversos chefes, sem um governo civil geral, que se estendesse sobre todos eles. Pelo fim do século treze, Otman fundou um governo desde então conhecido por governo ou império otomano, que cresceu até se estender sobre quase todas as principais tribos maometanas, consolidando-as numa grande monarquia.

"O caráter do rei. 'O anjo do abismo.' Um anjo significa um mensageiro, um ministro, bom ou mau, e nem sempre um ser espiritual. 'Anjo do abismo,' ou principal ministro da religião que dali saiu quando foi aberto. Essa religião é o maometismo, e o sultão é seu principal ministro.

"Seu nome em hebraico é 'Abadom,' o destruidor; em grego 'Apoliom,' aquele que extermina, ou destrói. Com dois diferentes nomes em duas línguas é evidente que se pretende representar mais o caráter do que o nome do poder. Sendo assim, ele é representado nas duas línguas como um destruidor. Tal tem sido sempre o caráter do governo otomano." — Uriah Smith, As Profecias do Apocalipse, pág. 151.

12. Que período definido é mencionado sob esta trombeta?

"E tinham caudas semelhantes às dos escorpiões, e aguilhões nas suas caudas; e o seu poder era para danificar os homens por cinco meses." Apoc. 9:10. Ver também o v. 5.

"Foi no dia vinte e sete de julho do ano 1299," diz Gibbon, "que Otman invadiu pela primeira vez o território de Nicomédia," na Ásia Menor, "e a singular precisão da data," acrescenta, "parece desvendar alguma previsão da rápida e destrutiva atuação do monstro." — Decline and Fali of the Roman Empire, cap. 64, par. 14. Tomamos esta data, então, para início do período a que se refere a passagem bíblica.

O mês bíblico consiste de trinta dias; cinco meses seriam 150 dias. Tomando um dia por um ano, 150 anos a começar em 27 de julho de 1299, chegaram a 27 de julho de 1449. Durante esse período os turcos se empenharam em guerra quase constante contra o Império Grego, sem todavia o conquistarem.

13. Com que declaração se encerra a quinta trombeta?

"Passado é já um ai; eis que depois disso vem ainda dois ais." Apoc. 9:12.

14. Ao soar a sexta trombeta, que ordem é dada?

"E tocou o sexto anjo a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro, que estava diante de Deus, a qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates." Apoc. 9:13 e 14.

Compreende-se que esses quatro anjos se refiram aos quatro principais sultanados — Alepo, Icônio, Damasco e Bagdá — de que se compunha o Império Otomano, situado na região banhada pelo rio Eufrates. (Ver Uriah Smith.)

15. Que cena de guerra é apresentada sob esta trombeta?

"E o número dos exércitos de cavaleiros era de duzentos milhões; … e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saía fogo e fumo e enxofre." Apoc. 9:16 e 17.

"Em 1453, Maomé II, o Grande, sultão dos otomanos, sitiou a capital [Constantinopla], com um exército que contava mais de 200.000 homens. Após rápido ataque, a cidade foi tomada abruptamente. A cruz, que desde o tempo de Constantino encimava a basílica de Sta. Sofia, foi substituída pelo crescente, que permanece até hoje." — General History, de Myers, edição de 1902, pág. 462 e 463.

Assim Constantinopla, sede oriental do Império Romano desde os dias de Constantino, foi capturada pelos turcos.

Parece ser também feita referência ao uso de armas de fogo, que começaram a ser usadas pelos turcos no fim do século décimo terceiro, e que, descarregadas de cima dos cavalos, daria a aparência de fogo e fumo saindo da boca dos cavalos.

16. Qual foi o resultado dessa peleja por meio de "fogo e fumo e enxofre"?

"Por estas três pragas foi morta a terça parte dos homens." Apoc. 9:18.

Isso mostra o efeito mortal desse novo meio de guerrear. "Constantinopla foi subjugada, seu império subvertido, e sua religião conculcada ao pó pelos conquistadores muçulmanos." — Horae Apocalypticae, de Elliot, Yol. 1, pág. 484.

17. Que período definido é mencionado nesta trombeta?

"E foram soltos os quatro anjos que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens." Apoc. 9:15.

Uma hora em tempo profético equivale a quinze dias; um dia quer dizer um ano, um mês trinta anos, um ano 360 anos. Somando-se tudo, ter-se-á um total de 391 anos e quinze dias, tempo concedido à supremacia otomana. Começando em 27 de junho de 1449, data em que termina a quinta trombeta, esse período deveria terminar em 11 de agosto de 1840. Em exato cumprimento da Palavra inspirada, essa data assinala a queda do Império Otomano como poder independente. Arruinado ao ponto de não haver mais esperança de reabilitação, numa guerra com Mehemet Ali, paxá do Egito, o sultão da Turquia submeteu-se à orientação das quatro então maiores potências da Europa e, por intermédio de seu ministro Rifat Bey, naquele mesmo dia, 11 de agosto de 1840, pôs nas mãos de Mehemet Ali o ultimato ditado por essas potências. Nesse dia, também, as frotas aliadas apareceram ante Beirute, preparadas para impor o ultimato. (Ver Uriah Smith). 

18. Com que anúncio termina a sexta trombeta?

"É passado o segundo ai; eis que o terceiro ai cedo virá." Apoc. 11:14.

O período definido na sexta trombeta leva-nos a 1840, quando a Turquia perdeu sua independência. Sua queda final, compreende- nos, ocorrerá ao soar a sétima trombeta.

19. Que se cumprirá quando estiver por soar a sétima trombeta?

"Mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas, Seus servos." Apoc. 10:7.

O segredo de Deus é o evangelho. Efés. 3:3-6; Gál. 1:11 e 12. Portanto, quando esta trombeta começar a soar, o evangelho estará cumprido, e virá o fim.

20. Que evento assinala o soar da sétima trombeta?

"E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no Céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser do nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele reinará para todo o sempre. E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus, prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus, dizendo: Graças Te damos, Senhor Deus todo-poderoso, que és, e que eras, e que hás de vir, que tomaste o Teu grande poder, e reinaste." Apoc. 11:15-17.

A sétima trombeta nos leva, portanto, ao estabelecimento do eterno reino de Deus.

21. Qual é a condição das nações, e que outros eventos devem ocorrer durante esse tempo iminente?

"E iraram-se as nações, e veio a Tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, Teus servos, e aos santos, e aos que temem o Teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a Terra." Apoc. 11:18.

As cenas finais da história deste mundo e do juízo são claramente aqui apresentadas. Desde a perda da independência pelo Império Otomano em 1840, as nações se estão continuamente preparando para a guerra como jamais no passado.

A menção, neste capítulo sob a sétima trombeta, das nações iradas e do julgamento dos mortos, torna claro que o sétimo anjo começou a fazer soar a trombeta. "O tempo dos mortos, para que sejam julgados," começou em 1844, ao final do período profético de 2300 dias. (Ver os estudos das págs. 190-207.) Demais, o v. 7 do cap. 10 diz que "nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta," será concluída a obra do evangelho no mundo. 

A "voz" da trombeta do sétimo anjo estará soando quando terminar o tempo da graça.

O "tempo de angústia," de Dan. 12:1, e as sete últimas pragas e a batalha do Armagedom, de que fala Apoc. 16, terão lugar durante o soar da sétima trombeta.

22. Que cena no Céu foi apresentada ao profeta ao soar a sétima trombeta?

"E abriu-se no Céu o templo de Deus, e a arca do Seu concerto foi vista no Seu templo: e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva." Apoc. 11:19.

Visto como o período concedido ao soar da sexta trombeta terminou em 1840, e o juízo no Céu começou quatro anos mais tarde, é claro que o sétimo anjo começou a fazer soar sua trombeta em 1844. Neste ano Cristo finalizou Sua obra sacerdotal no lugar santo do santuário celestial, e iniciou Sua obra no lugar santíssimo. E "abriu-se no Céu o templo de Deus, e a arca do Seu concerto foi vista no Seu templo." No fim de 1844, e nos anos que se seguiram, deu-se estudo especial à questão do santuário. Viu-se que as Escrituras falam de um santuário e um ritual do santuário no Céu, do qual Cristo é o Ministro e Sumo Sacerdote, e do qual o santuário terrestre do antigo Israel era tipo. Assim foi apresentado à vista o templo celestial de Deus.

A "arca" de ouro, contendo a lei de Deus escrita em tábuas de pedra, achava-se no lugar santíssimo. A menção da arca em relação com o juízo vem lembrar-nos que a lei de Deus, os Dez Mandamentos que se acham dentro da arca é a norma no juízo. (Ver Ecl. 12:13 e 14; Rom. 2:12; S. Tia. 2:8-12.)

Enquanto soa a sétima trombeta, terminará o tempo da graça para o mundo, cairão as sete últimas pragas (note-se a "grande saraiva" e compare-se Apoc. 16:17 e 18), e Cristo, o Senhor da glória, virá nas nuvens do céu para levar consigo o Seu povo. E Ele reinará para sempre.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal