Alegria - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Alegria

A Bíblia Responde > XII – Crescimento e Experiência Cristãs
A Bíblia Responde - Capítulo nº 12 - Crescimento e Experiência Cristãs

1. Que disse Jesus aos discípulos, antes de separar-Se deles?

"Tenho-vos dito isto, para que em Mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo." João 16:33.

2. Quais foram algumas das palavras de animação proferidas por Ele?

"Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim. Na casa de Meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, Eu vo-lo teria dito: vou preparar-vos lugar. E se Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também." S. João 14:1-3.

3. Com que espírito devemos servir ao Senhor?


"Servi ao Senhor com alegria; e apresentai-vos a Ele com canto." Sal. 100:2.

4. Que é semeado para os retos de coração?

"A luz semeia-se para o justo, e a alegria para os retos de coração." Sal. 97:11.

5. Que efeito produz o coração alegre?

"O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos." Prov. 17:22.

Disso podemos aprender a influência que o espírito exerce sobre o corpo. A alegria produz vida e saúde; a tristeza, os cuidados, a ansiedade e o aborrecimento levam à doença e à morte.

6. Que efeito, têm sobre o coração as palavras de conforto e animação?

"A solicitude no coração do homem o abate, mas uma boa palavra o alegra." Prov. 12:25.

7. Por meio de que bênçãos temporais enche Deus de alegria o coração dos homens?

"E contudo não Se deixou a Si mesmo sem testemunho, beneficiando-Se lá do Céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações." Atos 14:17.

8. Por que e para que deve todo filho de Deus regozijar-se?

"Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus; porque me vestiu de vestidos de salvação, me cobriu com o manto de justiça." Isa. 61:10.

9. Contra que são advertidos os cristãos?

"E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor." I Cor. 10:10.

"Há os que dão preferência à escuridão, como o morcego busca a treva, e o abutre a carniça. Preferem fomentar a miséria a acariciar uma alegria. Sempre acham o lado negro de todas as coisas, se há um lado negro para ser descoberto. Parecem ser murmuradores conscientes, como se tivessem obrigação de extrair alguma essência de miséria de cada acontecimento.... Por outro lado, há espíritos raros que sempre apanham o prisma jovial da vida. Olham o lado brilhante. Encontram alegria e beleza por toda a parte. . .  No quadro mais cheio de defeitos, vêem alguma beleza que os encanta. Na pessoa mais desagradável descobrem qualquer traço de bondade ou alguma promessa. Nas mais desencorajadoras circunstâncias, acham algum motivo para serem agradecidos, algum raio de alegria que atravessa as densas trevas.... Quando uma nesga de sol atravessou uma fenda da janela dum quarto fechado, criando nele como que um remendo de claridade no soalho enegrecido do aposento, um cachorrinho que estava enrodilhado num canto ergueu-se dali e foi deitar-se no único local ensolarado; e essas pessoas vivem na mesma maneira filosófica. Onde quer que haja um raio de alegria ou esperança, achá-lo-ão.... Não temos o direito de projetar a treva de nosso descontentamento sobre qualquer vida. O que nos compete é encaminhar-nos sempre para o regozijo. Nada existe mais deprimente para outros, do que um estado doentio, enfermiço.... O descontentamento para nada aproveita.... Ninguém se sente melhor por queixar-se." — Week-Day Religion, de J. R. Miller, D. D., págs. 236-241.

"Quantas pessoas," diz Jeremy Taylor, "vivem ocupadas no mundo colhendo juntas um punhado de espinhos para sentarem-se sobre eles!"

"Uma meninazinha estava comendo, quando um raio de sol atingiu a colher, e ela gritou: 'Ó mãe, eu engoli uma colher cheia de sol!' Oxalá Deus permitisse que todos provassem essa espécie : de comida!" — One Thousand Gems, de Talmage, pág. 56.

10. Mesmo quando perseguido, que nos é dito que façamos, e por quê? 

"Bem-aventurados sereis quando os homens vos aborrecerem, e quando vos separarem, e vos injuriarem, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do homem. Folgai nesse dia, exultai; porque, eis que é grande o vosso galardão no Céu." S. Luc. 6:22 e 23.

11. Quando espancados pelas autoridades judias por pregarem a doutrina de Cristo, que fizeram os apóstolos?

"Retiraram-se pois da presença do conselho, regozijando-se de terem sido julgados dignos de padecer afronta pelo nome de Jesus." Atos 5:41.

12. Depois de receberem "muitos açoites," com os pés presos a troncos, que fizeram Paulo e Silas na prisão?

"E perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam." Atos 16:25.

13. Que certeza é concedida para que o filho de Deus possa animosamente suportar toda provação e dificuldade da vida?

"E sabemos que todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por Seu decreto." Rom. 8:28.

14. Quando devemos regozijar-nos?

"Regozijai-vos sempre no Senhor: outra vez digo, regozijai-vos." Filip. 4:4.

"O regozijo é o distintivo da alma valorosa e sadia. Entregar-se a pensamentos tétricos, em vez de a animosos, é sinal de fraqueza. Não quer isto dizer que ninguém mais além dos fracos é tentado, mas uma coisa é ser atacado e outra desbaratar o atacante. E isto é o que a alma valorosa faz. Poderá haver uma razão tangível e real para os corações enfraquecerem e hesitarem, pois a vida é séria, e o mundo cheio de provações inesperadas; mas pôr-se a lastimar uma contingência difícil só a torna maior cada vez mais, até que obscurece o horizonte e descem trevas sobre a alma. Por conseguinte, o que se tem de fazer é repelir por um momento todos os pensamentos aborrecíveis — dizer: 'isto é apenas passageiro' — e ao tornar a eles, ver-se-á com surpresa que terão diminuído muito em tamanho e importância." — The New World.

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal