A Mudança do Sábado - Estudos Bíblicos Adventistas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

A Mudança do Sábado

A Bíblia Responde > VX – O Sábado
A Bíblia Responde - Capítulo nº 09 - O Sábado

1. De que faz parte o mandamento do sábado?

Da lei de Deus. Ver Exo, 20:8-11.

2. Qual, segundo a profecia, seria a atitude de Cristo para com a lei?

“O Senhor Se agradou à causa da justiça dele: engrandecerá Ele a lei e a fará ilustre." Isa. 42:21. (Versão Trinitária.)

3. Em Seu primeiro discurso registado, que disse Cristo da lei?

“Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim ab-rogar, mas cumprir.” S. Mat. 5:17.

4. Quanto tempo vigorará a lei?

“Porque em verdade vos digo que até que o céu e a Terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” S. Mat. 5:18.

5. Que disse Ele dos que quebrassem um dos menores mandamentos divinos, e ensinassem os homens a assim proceder?

“Qualquer pois que violar um destes mais pequenos mandamentos, e assim ensinar aos homens, seré chamado o menor no reino dos Céus.” S, Mat. 5:19.

Deduz-se daí que todo o decálogo é obrigatório na dispensação cristã, e que Cristo não tinha em mente trocar qualquer deles. Um deles ordena a observância do sétimo dia como dia de repouso. Muito diversa, porém, é a prática de muitos cristãos; em vez disso guardam o primeiro dia da semana, crendo muitos que Cristo mudou o sábado. Mas, pelas próprias palavras de Cristo, vemos que Ele não veio para tal propósito. Deve buscar-se, pois, em qualquer outra parte a responsabilidade dessa mudança.

6. Que disse Deus, pelo profeta Daniel, que o poder representado pela “ponta pequena" cuidaria em fazer?

“E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei.” Dan. 7:25. “Imaginará de si que pode mudar os tempos e a lei.” (Tradução de Figueiredo.)

Para completa elucidação deste símbolo, ver os estudos “Reino e Obra do Anticristo” e “Os Símbolos Proféticos de Daniel 8,"

7. Que, disse o apóstolo S. Paulo, faria “o homem do pecado”?

“Porque não será assim sem que antes venha a Apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; o qual se opõe, e se levanta contra tudo e que se chama Deus, ou se adora.” II Tess. 2:3 e 4.
Só existe um meio pelo qual qualquer poder pode exaltar-se acima de Deus, e esse é pretender mudar a lei de Deus, e exigir obediência à sua própria lei em lugar de à de Deus.

8. Que poder se atribui autoridade para mudar a lei de Deus?

O papado.

“O papa é de tão grande autoridade e poder que ele pode modificar, explicar ou interpretar mesmo leis divinas .... O papa pode modificar uma lei divina, visto seu poder não' provir de homem, mas de Deus, e ele age como representante de Deus na Terra.” - Lucius Ferraris, Prompta Bibliotheca, “Papa,” art. 2.

9. Que parte da lei de Deus especialmente cuidou o papa em mudar?

O quarto mandamento.

“Eles [os católicos] alegam que o sábado foi mudado para o domingo, o dia do Senhor, contrariamente ao decálogo, como é evidente; nem existe exemplo algum de maior jactância do que a mudança do dia de repouso. Grande, dizem eles, é o poder e autoridade da Igreja, visto haver dispensado um dos Dez Mandamentos.”  Augsburg Confession, Art. XXVIII.

“Ela [a Igreja Católica, Romana] subverteu o quarto mandamento, dispensando o sábado da Palavra de Deus e substituindo-o pelo domingo, como dia santificado.” - N. Summerbell, em History of the Christioms, pág. 418.

10. Por que ordenou Deus que Israel santificasse o sábado?

“E santificai os Meus sábados, e servirão de sinal entre Mim e vós, para que saibais que Eu sou o Senhor vosso Deus.” Ezeq. 20:20.

Como o sábado foi dado para que o homem se lembrasse de Deus como seu Criador, pode perceber-se imediatamente que um poder que buscasse exaltar-se acima de Deus, procuraria primeiro cobrir ou remover aquilo que chama a atenção do homem para seu Criador. Isto não poderia ser feito com mais eficiência do que pondo de parte a memória divina -- o sábado do sétimo dia. A esse trabalho do papado faz Daniel referência, ao dizer: “Ele cuidará em mudar os tempos e a lei.” Dan. 7:25.

11. Reconhece o papado haver ele mudado o sábado?

Sim.

“Pergunta - Como podeis provar que a Igreja possui poder de ordenar festas e dias santos?

“Resposta _ Pelo próprio ato da mudança do dia de descanso para o domingo, o qual todos os protestantes aceitam; e portanto, contradizem-se positivamente, observando estritamente o domingo, e violando a maioria dos outros dias de festas ordenados pela mesma igreja.” -Abridgfment of Christian Doctrine, pelo Rev. Henry Tuberville, D. D., do Douay College, França (1649), pág. 58.

“Pergunta: - Tendes qualquer outra maneira de provar que a Igreja tem poder de instituir festas por preceito?

“Resposta: - Não tivesse ela esse poder, e não poderia haver feito aquilo em que concordam todos os religionistas modernos -- não poderia haver substituído a observância do sábado do sétimo dia da semana, pela do domingo, o primeiro dia, mudança para a qual não há autoridade escriturística.” - Um Catecismo Doutrinal, pelo Rev. Stephan Keenan, pág. 174.

“A Igreja Católica, por sua própria infalível autoridade criou o domingo como dia santificado para substituir o sábado, da velha lei.” - Kansas City Catholic, de 9 de fevereiro de 1893.

A Igreja Católica... em virtude de sua divina missão, mudou 0 dia de sábado para domingo.” - Catholic Mirror, órgão oficial do cardeal Gibbons, de 23 de setembro de 1893.

“Pergunta - Qual é o dia de descanso?

“Resposta -- O dia de descanso é o sábado.

“Pergunta - Por que observamos o domingo em vez do sábado?

“Resposta _ Observamos o domingo em vez do sábado porque a Igreja Católica, no Concílio de Laodicéia (336 A. D.), transferiu a solenidade do sábado para o domingo." - The Comvert's Catechism of Catholic Doctrine, pelo Rev. Peter Geierman, C. SS. R., pág. 50, terceira edição, 1913, obra que recebeu a “bênção apostólica” do papa Pio X, em 25 de janeiro de 1910.

O que se fez no concílio de Laodicéia não foi senão um dos passos por meio dos quais se efectuou a mudança do sábado. Ver as perguntas 17-21. A data geralmente citada para esse concílio é a de 364 A. D.

12. Reconhecem as autoridades 'católicas não haver na Bíblia mandamento algum para a santificação do domingo?

Sim.

“Podereis ler a Bíblia de Génesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do domingo. As Escrituras ordenam a observância religiosa do .sábado, dia que nós nunca santificamos.”  Cardeal Gibbons em The Faith of Our Fathers, edição de 1892, pág. 111.

“Em parte nenhuma figura o domingo como dia do Senhor ....

“Nós, católicos, romanos, guardamos o domingo, em lembrança da ressurreição de Cristo, e por ordem do chefe da nossa igreja, que preceituou tal ordem do sábado ser do Antigo Testamento, e não obrigar mais no Novo Testamento.” - Padre Júlio Maria, em Ataques Protestantes, pág. 81.

É interessante recordar a este propósito que a observância do domingo, que é o único culto do protestantismo, não só não tem fundamento na Bíblia, mas está em contradição flagrante com a letra da Bíblia, que prescreve o descanso do sábado.

“Foi a Igreja Católica que, por autoridade de Jesus Cristo, transferiu esse descanso para o domingo, em memória da ressurreição de nosso Senhor; de modo que a observância do domingo pelos protestantes, é uma homenagem que prestam, independentemente de sua vontade, à autoridade da Igreja.” _ O Monitor Paroquial de 26 de Agosto de 1926, Socorro, Estado de São Paulo.

“O domingo é uma instituição católica, e sua observância só pode ser defendida por princípios católicos. De princípio a fim das Escrituras não é possível encontrar uma única passagem que autorize a mudança do culto público semanal, do último para 0 primeiro dia da semana.” --Catholic Press (Sidnei, Autrália), de 25 de Agosto de 1900.

13. Reconhecem isso, os escritores protestantes?

Sim.

O Dr. Edward T. Hiscox, autor do Manual Batista, fez perante um grupo de pastores, a seguinte sincera admissão:

“Havia e há um mandamento que manda santificar o sábado, mas esse sábado não era o domingo. Dir-se-á, entretanto, e com alguma demonstração de triunfo, que o sábado foi transferido do sétimo para o primeiro dia da semana, com todos os seus deveres, privilégios e sanções. Sinceramente desejoso de informação sobre esse assunto, que estudei por muitos anos, pergunto: Onde é possível encontrar-se o registo de uma tal mudança? Não no Novo Testamento, absolutamente não. Não existe prova escriturística da mudança da instituição do sábado do .sétimo dia para o primeiro dia da semana.

“É claro,” continua ele, “que sei perfeitamente ter o domingo entrado em uso, como dia religioso, na primitiva história cristã, o que sabemos através dos pais da Igreja e de outras fontes. Que pena, porém, que ele nos venha assinalado com a marca do paganismo e baptizado com o nome do Deus do Sol, em seguida adoptado e sancionado pela apostasia papal, e legado ao protestantismo como uma doação sagrada.” De um discurso feito em 13 de Novembro de 1893.

Presbiterianos: _ “O sábado cristão (domingo) não se encontra na Escritura, e não era pela Igreja primitiva chamado o sábado."  Tratado de Teologia de Dwight, Vol. 4, pág. 401.

Congregacionalistas _ “Não existe na Bíblia mandamento que requeira de nós a observância do primeiro dia da semana como sendo o sábado cristão.”  Mode and Subjects of Baptism, por Fowler.

Episcopais: _ “A festa do domingo, como todas as outras festividades, foi sempre uma ordenança simplesmente humana, e estava longe das cogitações dos apóstolos estabelecer a este respeito uma ordem divina _ longe deles e da primitiva igreja apostólica transferir para o domingo as leis do sábado.” _ The History of the Christian Religion and Church, Neander, pág. 186, tradução de John Rose, B. D. Filadélfia: James M. Campbell & C.°, 1843.

Metodistas: _ “É certo não haver mandamento positivo para o baptismo infantil .... Tampouco o há para santificar o primeiro dia da semana.” Theological Compend (1902), Rev. Amós Binney, pags. 180 e 181.

Luteranos: _ “A observância do dia do Senhor (domingo) não se baseia em nenhum mandamento de Deus, mas sim na autoridade da Igreja.” _ Augsburg Confession of Faith, citado em Corfs Sabbath Manual, pág. 287.

14. Como se processou essa mudança na observância dos dias?

Subitamente ou gradualmente?

Gradualmente.

“A igreja cristã não operou transferência formal de um dia para o outro, mas sim gradual e quase inconscientemente.” _ The Voice from Sinai, pelo Archdeacon F. W. Farrar, pág. 167.

Esta fé, em si mesma, uma prova de não ter havido mandamento divino para a mudança do sábado.

15. Por quanto tempo foi o sábado observado na igreja cristã?

Por muitos séculos. Efectivamente, sua observância jamais cessou inteiramente na igreja cristã.

Diz o Sr. Morer, ilustrado clérigo da Igreja da Inglaterra: “Os primitivos cristãos tinham grande veneração pelo sábado e passavam o dia em devoção e sermões. E não é de duvidar-se que os próprios apóstolos tenham seguido essa prática.” _ Diálogos Sobre o Dia do Senhor, pág. 189.

“O sábado foi religiosamente observado na Igreja do Oriente, durante mais de trezentos anos depois da paixão do Salvador.” _ Learned Treatise of the Sabbath, pelo Prof. E. Brerwood, do Gresham College, Londres (Episcopal), pág. 77.

Lyman Coleman, criterioso e .sincero historiador, diz:

“Retrocedendo mesmo até ao quinto século, foi continua a observância do sábado judaico na igreja cristã, mas com rigor e solenidade gradualmente decrescentes, até ser de todo abolida.” -- Ancient Christianity Exemplified, cap. 26, seção 2.

Diz o historiador Sócrates, que escreveu cerca de meados do quinto século:

“Quase todas as igrejas do mundo celebram os sagrados mistérios no sábado de cada semana; não obstante os cristãos de Alexandria e de Roma, em vista de alguma antiga tradição, recusaremse a fazê-lo.” -- Ecclesiastical History, Livro V, cap. 22.

Sozomen, outro historiador do mesmo período, escreve:

“O povo de Constantinopla e de outras cidades, congrega-se tanto no sábado como no dia imediato; costume esse que nunca é observado em Roma.” - Idem, Livro 7, cap. 19.

Tudo isto teria sido inconcebível e impossível caso houvesse sido dado um mandamento divino para a mudança do sábado. As últimas duas citações mostram também que Roma iniciou a apostasia e a mudança do sábado.

16. Como se originou a observância do domingo?

“A oposição ao judaísmo introduziu a festividade particular do domingo, muito cedo, realmente, em substituição do sábado .... A festa do domingo, como todas as outras festividades, foi sempre uma ordenança simplesmente humana, e estava longe das cogitações dos apóstolos estabelecer a este respeito uma ordem divina longe deles e da primitiva igreja apostólica, transferir para o domingo as leis do sábado. Talvez no fim do segundo século, começou a surgir uma falsa aplicação dessa espécie, pois a esse tempo. Os homens consideravam pecado o trabalho aos domingos.” – Church History, de Neander, tradução de Rose, pág. 186.

“A observância do domingo foi primeiro um suplemento à observância do sábado, mas à medida que se alargou o abismo entre a Igreja e a sinagoga, o sábado se foi tornando cada vez menos importante, acabando por ser inteiramente negligenciado.” - L. Duchesne, Christian Worship: Its Original Evolution, pág. 47.

17. Quem primeiro ordenou por lei a observância do domingo?

Constantino o Grande.

“A mais antiga documentação da observância do domingo como imposição legal é o edito de Constantino, em 321 A. D., que decreta que as cortes de justiça, os habitantes das cidades e o comércio em geral, devessem repousar no domingo (venerabilii die Solis) exceptuando-se apenas os que se empenhavam em trabalhos agrícolas.”

- Enciclopédia Britânica, nona edição, artigo Domingo.

“Constantino o Grande fez uma lei para todo o império, (321 A.D.), estatuindo que o domingo fosse observado como dia de repouso em todas as cidades e vilas; mas permitindo que os camponeses prosseguissem em seus trabalhos.” - Enciclopédia Americana, artigo Sábado.

“Inquestionavelmente a primeira lei, quer eclesiástica quer civil, pela qual se sabe haver sido ordenada a observância do repouso naquela época, é o edito de Constantino, de 321 A. D.” -- Chamber's Encyclopedia, artigo Sábado.

18. A que obrigava a lei de Constantino?

“Que os juízes e o povo das cidades, bem como os comerciantes, repousem no venerável dia do Sol. Aos moradores dos campos, porém, conceda-se atender livre e desembaraçadamente aos cuidados de sua lavoura, visto suceder frequentemente não haver dia mais adequado à semeadura e ao plantio das vinhas, pelo que não convém deixar passar a ocasião oportuna e privar-se a gente das provisões deparadas pelo Céu.” -- Edito de 7 de março de 321, A. D., Corpus Jurls Civilis Cord., Liv. 3, Tit. 12, 3.

Este edito promulgado por Constantino, que foi o primeiro a unir a Igreja cristã e o Estado romano, de certo modo supriu a falta da divina ordem para a observância do domingo, e pode ser considerada a lei original do domingo, e o modelo seguido para todas as leis dominicais depois dele. Foi um dos passos importantes para alcançar o intento da mudança do sábado e estabelecê-la.

19. Que testemunho dá sobre o caso Eusébio (270-338), celebrado bispo, bajulador de Constantino, e reputado historiador eclesiástico?

“Todas as coisas, .sejam quais forem, que era dever fazer no sábado, nós as transferimos para o dia do Senhor [domingo].” -Commentary on the Psalrns, Cox's Sabbath Literature, Vol. 1, pág.361

A mudança do sábado foi o resultado dos esforços conjugados da Igreja e do Estado, e passaram-se séculos antes de ser inteiramente realizada.

20. Quando e por que concílio da Igreja foi proibida a observância da sábado e adoptada a do domingo?

“O sétimo dia, sábado, foi . . . solenizado por Cristo, pelos apóstolos e pelos cristãos primitivos, até que o Concílio de Laodicéia, de certa maneira, lhe aboliu inteiramente a observância .... O concílio de Laodicéia [364 A. D.]   estabeleceu pela primeira vez a observância do dia do Senhor.” - Dissertation on the Lord's Day Sabbath de Prynne, pág. 163. '

21. Que decretou esse concílio, em seu vigésimo nona cânon, relativamente ao sábado e aos cristãos que continuassem a observa-lo?

“Os cristãos não deverão judaizar e permanecer ociosos no sábado, mas trabalharão nesse dia .... Se, porém, forem achados judaizando, serão separados de Cristo.” - History of the Counsils of the Church, de Hefele, Vol. 2, pág. 316.

Alguns dos passos subsequentes dados por autoridades da Igreja e do Estado para a realização dessa mudança foram os seguintes:

“Em 386, sob Graciano, Valenciano e Teodósio, foi decretado que todo litígio e trabalho devesse cessar [no domingo] ....

“Entre as doutrinas prescritas em carta do papa Inocêncio I, escrita no último ano de seu papado (416), lê-se que o sábado devia ser observado como dia de jejum ....

“Em 425, sob Teodósio o Jovem, foi recomendada a abstenção de ir a teatros e circos [aos domingos] ....

“Em 538, no Concílio de Orleans, foi ordenado que tudo quanto era previamente permitido no domingo ainda fosse legal; mas houvesse abstenção do trabalho de arar a terra, ou nas vinhas, derrubadas, colheitas, debulha, plantação e cercas, a fim de que o povo pudesse mais facilmente frequentar a igreja ....

“Cerca do ano 590 o papa Gregório, em carta ao povo romano, denunciou como profetas do anticristo os que mantivessem que se não devia trabalhar no sétimo dia.” - Law of Sunday, por James T. Ringgold, págs. 265-267. 4

O último parágrafo da citação anterior indica que mesmo no avançado ano 590 A. D. havia na Igreja os que ensinavam a observância do sábado bíblico, o sétimo dia.

22. Que determina de quem somos servos?

“Não sabeis vós que a quem vós apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis?” Rom. 6:16.

23. Quando tentado a prostrar-Se em adoração a Satanás, que resposta deu Cristo?

“Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele servirás.” S. Mat. 4:10 e 11.

24. Que dizem os católicos quanto ã observância do domingo pelos protestantes?

“Foi a Igreja Católica que, por autorização de Jesus Cristo, transferiu este repouso para o domingo, em comemoração da ressurreição de nosso Senhor. Assim, a observância do domingo pelos protestantes é uma homenagem que, contra si mesmos, prestam à autoridade da Igreja [católica].” - Plain Talk About Protestantísm of Today, por Mons. Segur, pág. 213.  

25. Como denomina o Senhor a espécie de culto que não esteja em conformidade com os mandamentos de Deus?

“Mas em vão Me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.” S. Mat. 15:9.

26. Quando Israel havia apostatado, e o culto a Baal estava quase generalizado, que apelo lhes dirigiu Elias?

“Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-O; e se Baal, segui-o.” I Reis 18:21.

Em tempos de ignorância Deus tolera o que de outro modo seria pecado; mas em chegando a luz, anuncia a todos os homens e em todo lugar que se arrependam. Atos 17:30. Expirou o período em que os santos, os tempos e a lei de Deus deveriam estar nas mãos do papado (Dan. 7 :25) ; brilham agora a luz verdadeira sobre a questão do sábado; e Deus envia uma mensagem ao mundo, convidando os homens para temerem e adorarem a Deus, e para volverem à observância de 'Seu santo dia de repouso, o sábado do sétimo dia. Apoc. 14:6-12; Isa. 56:1; 58:1, 12-14.  
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal