A Lição do bolo queimado - Estudos Bíblicos Adventistas

Ser Cristão, é ser Discípulo do Cristo.
Ir para o conteúdo

A Lição do bolo queimado

Reflexões Cristãs
Reflexões Cristãs
O trabalho de reconstrução dos muros da cidade avançava com passos firmes, apesar das conspirações do inimigo e das dificuldades próprias do empreendimento. Nada que tenha algum valor na vida é de graça. Tudo tem o seu preço e a vitória é dos que não têm medo de “pagar o preço”, que às vezes significa horas de sono, suor, lágrimas e renúncias. Até a salvação, que para nós é gratuita, teve um preço muito alto que foi pago por Jesus na cruz do Calvário.

Reconstruir uma cidade quase em escombros não foi tarefa fácil para Neemias. Quando os inimigos souberam que o muro já estava pronto e que nele já não havia brecha alguma, Sambalá e Gesém tentaram distrair a atenção do líder e receberam uma resposta que todo aquele que sonha em construir algo na vida, deveria ter na ponta da língua: “Estou a fazer uma grande obra, de modo que não poderei descer.”

Era véspera de Natal. A minha mãe estava a preparar um delicioso bolo de frutas que faria parte da ceia de Natal, muito simples, mas com muito amor. Por algum motivo que não me lembro, ela teve que sair, deixando o bolo no forno. Antes de partir, chamou-me e recomendou muitas vezes que desligasse o forno a uma determinada hora. “Filho, por favor, só tens que olhar para o relógio. Não te distraias. É o nosso bolo de Natal.”

Tudo corria bem. Sentado na cozinha, fiquei atento ao relógio. Faltavam ainda vinte minutos. O problema começou quando os meus colegas começaram a chamar-me para jogar à bola. Eu disse que não ia, que estava ocupado, mas eles insistiram e, a partir daquele momento, eu comecei a olhar para o relógio com um olho e o jogo no pátio, com o outro. Se a minha equipa estivesse a ganhar talvez as coisas não se tivessem complicado, mas infelizmente, a minha equipa começou a perder. Olhei, então para o relógio; ainda faltavam 10 minutos, e eu podia marcar pelo menos um golo. Foi a minha tragédia: empolguei-me tanto com o jogo que me esqueci do bolo e estraguei a festa de Natal.

Já tive muitas noites de Natal na vida. Algumas tristes, a maioria delas felizes, mas aquela nunca será esquecida. Nem a alegria do brinquedo dado com amor, me tirou do peito o sabor amargo de ter queimado o bolo de frutas.

Eu estava a fazer uma grande obra, mas, infelizmente, desci. Graças a Deus, aprendi a lição. Compreendeu a mensagem?
Voltar para o conteúdo